Segunda, 21 de Junho de 2021
(34) 99869-4433
Polícia Polícia

Operação 'Oikos': mandados são cumpridos em Uberaba contra suspeitos de roubo a residência

Operação 'Oikos'

14/05/2021 03h00
Por: Euripedes Antonio Campos
Materiais apreendidos com alvos de Operação 'Oikos' em Uberaba — Foto: Polícia Militar/Divulgação
Materiais apreendidos com alvos de Operação 'Oikos' em Uberaba — Foto: Polícia Militar/Divulgação

Ação foi realizada pelo Gaeco, junto com a Polícia Militar, na manhã desta quinta-feira (13).

Dois mandados de prisão preventiva e quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos, na manhã desta quinta-feira (13) em Uberaba, pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela Polícia Militar (PM). A ação faz parte da Operação “Oikos”, que investiga um roubo a residência registrado na cidade.

O crime ocorreu no Bairro Jardim Espírito Santo, o dia 11 de abril, quando os autores armados invadiram uma casa, renderam as vítimas de forma violenta e cometeram assalto.

Diante disso, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Gaeco, solicitou os mandados de prisão, busca e apreensão, que foram expedidos pelo Juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Uberaba.

"O objetivo foi cumprir as prisões dos ladrões que executaram o roubo e cumprir mandados de busca e apreensão contra esses mesmos ladrões e um terceiro elemento, para ver se a gente conseguiria angariar mais provas, inclusive sobre outros roubos e outros envolvidos em assalto a residências", explicou o promotor de Justiça José Cícero Barbosa da Silva Junior, coordenador do Gaeco de Uberaba.

Durante as buscas na casa de um dos alvos, foram localizados uma blusa e um boné utilizado pelos criminosos no dia do roubo. Também foram apreendidas uma motocicleta com indícios de adulteração e porções de maconha.

 

Investigações

Segundo o promotor, há a suspeita de que os investigados possam ter atuado em outros crimes. José Cícero explicou que eles são investigados por roubo qualificado, com mais de uma pessoa, uso de arma de fogo, por fazer as vítimas reféns. A partir das provas que foram coletadas nesta quinta-feira, o Gaeco não descarta a identificação de uma possível quadrilha.

"Eles tinham como modo de atuação invadir a residência, ser muito agressivos na abordagem das vítimas, eram violentos, amarravam elas. Eles procuravam por dinheiro vivo, cofre e tinham uma rota de fuga pré-determinada", completou.

O promotor ainda diz que outra ocorrência parecida pode ter relação com os investigados nesta operação.

"Nós já temos pelo menos mais um fato em que a forma de atuação foi idêntica, também tinha vítimas idosas, mesma forma de abordagem violência, que nos leva a crer que sejam os mesmos responsáveis", finalizou.

 

Oikos

O nome da operação tem origem grega. A palavra “oikos” se refere a três conceitos relacionados na Grécia Antiga, que são: a família, a propriedade da família e a casa. Assim, as investigações tiveram como alvos responsáveis por violar a família, que foi feita refém e ameaçada, além de terem a propriedade roubada e a casa invadida.

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias