Sexta, 24 de Setembro de 2021
(34) 99869-4433
Cidade Reflexão

A FLORAÇÃO DO IPÊ

A FLORAÇÃO DO IPÊ

01/08/2021 04h00
Por: Redação

Arahilda Gomes Alves

 

Toquei com os dedos dos pés cansados, a polpa macia das pétalas desmaiadas, no tapete dourado sobre o negrume do piche do asfalto. Revolvi as folhas secas que empanavam o reluzente viço das medrosas, ante o barulho de rodas velozes a lhes esfacelarem a alma.

Com os olhos acompanhava a forma majestática do tronco ereto, orgulhoso, a suportar em seus tentáculos viçosos a seiva bruta acalentando os galhos encrespados. Amiga árvore, tão responsável pelos repolhudos brotos de cascatas reluzentes impregnados de vida.

Fechei os olhos e senti o odor das flores derramando-se em porções associativas e motivadoras.

Voltei a perscrutar no silêncio da tarde que se dissolvia em arrepios, o sussurrar tremulante de galhos a se debruçarem, preguiçosos e assustados, a cada corola que o chão atraia, impassível, devorador.

Já não mais olhava. Tateava a visão inexprimível, dourada, festiva, de um ipê amarelo, em floração. Era a natureza na sua exuberante proficiência a prognosticar a chegada da mais decantada das estações brindando a paisagem da minha rua. 

Meses depois, voltei a olhar o ipê amarelo. Meus olhos se abriram assustados. Os galhos não mais ostentavam sua opulência dourada. Um e outro serpenteavam ao vento, em gestos complacentes. Sacrificados pela mãe natureza gritavam aos céus clamando pela dança dadivosa dos zéfiros, que lhes dera tanto prazer. Jaziam soluçando saudosas, as inúmeras coifas pisoteadas, impiedosamente. Era um tapete amarelecido e velho.

Se no apogeu de seu brilho, olhares deslumbrantes fotografaram o ipê amarelo admirando-lhe o esplendor aurífero guardando resíduos de vaidoso orgulho e opulência, hoje, testemunhavam um derramar de saudades.

Meditei sobre o ipê, que em poucos meses perdera sua glória. Percebi que os homens são como aquele ipê amarelo da minha rua. Hoje, estufam o peito, orgulhosos, mas se esquecem de que a vaidade se desvanece ante a enfermidade das coisas!

 

Arahilda Gomes Alves - Cadeira 33 ALTM; vice-presidente -2ª-gestão; membro Academia Poetas Portugueses e Academia Letras e Artes Portugal; cônsul Poetas Del Mundo; Academia Internacional do Brasil; diretora cofundadora Fórum Articulistas de Uberaba e Região. Partícipe Rede Sem Fronteiras; sócia Poemas à Flor da Pele.  Dois primeiros lugares em Contos (R.S) e Feira do Livro (México). Crônica (2018). Escreve crônicas no JU desde 1993.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Reflexões
Sobre Reflexões
Artigos diários
Uberaba - MG
Atualizado às 17h23 - Fonte: Climatempo
34°
Nuvens esparsas

Mín. 19° Máx. 36°

32° Sensação
15 km/h Vento
22% Umidade do ar
90% (8mm) Chance de chuva
Amanhã (25/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 38°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (26/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 37°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias