Terça, 25 de Janeiro de 2022
24°

Nuvens esparsas

Uberaba - MG

Cidade Reflexão

Por quê trocaram o Hino Nacional Brasileiro?

Por quê trocaram

14/11/2021 às 04h00
Por: Redação
Compartilhe:

Arahilda Gomes Alves

Assim como há curiosidade em saber quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha, a motivação com que interrogava, nas aulas de Canto Coral, ao contar sobre o histórico do nosso Hino Nacional, era colocada na sala, interrogando: quem nasceu primeiro, a letra ou a música do nosso hino? Às vezes, escrevia na lousa o primeiro verso invertido, como era de praxe na época e deixava-os decifrar onde estaria o sujeito.

Tudo isso para que a classe cantasse nosso Hino com arte e civismo. No primeiro caso contava sobre o hino vencedor de Leopoldo Miguez e Medeiros e Albuquerque, que nos albores da República, fora o hino escolhido em concurso. Cabecinhas ávidas, curiosamente, faziam perguntas, as mais inusitadas. Por que não fora conservado? Será que em todo concurso, vencedores são escolhidos por antecipação? A História o renegou pelas metáforas, poema de difícil entendimento? Mas o tempo o consagrou...

Narrando: a música de Francisco Manoel composta na abdicação de Pedro I em 1830 permaneceu por cem anos e as letras eram adaptáveis de acordo com os fatos a serem exaltados. Marechal Deodoro da Fonseca, no período republicano abriu concurso para escolher o que viria a ser nosso Hino Nacional, como dissera acima. Mas, o júri preferia o velho hino, quando Osório Duque Estrada adaptou a letra que conhecemos à bela música de Francisco Manoel.

E o que decidiram com o hino vencedor em concurso? Passou a ser nosso Hino à Proclamação da República, perfeito na sua estrutura sonora e poética: Seja um pálio de luz desdobrado/Sob a larga amplidão destes céus...E que se comemora a 15 deste novembro pandêmico.. Esperançoso sobre um grito de “Glórias, que fale /de esperanças de novo porvir!Voltando ao hino maior, lástima, ouvir nosso hino cantado, cheio de vícios de linguagem e de entonação. Colocam: braços fortes, no plural; a preposição de um sonho, porque na segunda parte existe o Brasil, de amor eterno...Só associar que, na parte um, sonha-se e na parte dois, vem o amor eterno...E na sua execução cantada, conforme decreto, obriga-se cantar as duas estrofes, que, acredito, não voltar à outra parte, com a introdução. Afinal, o nome já o diz. O que muitos interpretam repetir tudo, na integra, o que discordo. Que se faça a letra do canto completo e na tonalidade adaptável à voz (Fá maior). Mas se só orquestrado, executa-se somente a primeira parte em tonalidade brilhante de si bemol.

Quando fui explanar sobre nosso Hino Nacional, numa formatura do SESI, um aluno veio a mim concluindo: Agora gostarei de cantar o Nino Nacional!

 E você descobriu o sujeito nessa oração invertida? ” Ouviram, do Ipiranga, as margens plácidas/De um povo heroico, o brado retumbante”

Observe: as margens plácidas, não tem crase...

 

Arahilda Gomes Alves - Cadeira 33 ALTM; vice-presidente -2ª-gestão; membro Academia Poetas Portugueses e Academia Letras e Artes Portugal; cônsul Poetas Del Mundo; Academia Internacional do Brasil; diretora cofundadora Fórum Articulistas de Uberaba e Região. Partícipe Rede Sem Fronteiras; sócia Poemas à Flor da Pele.  Dois primeiros lugares em Contos (R.S) e Feira do Livro (México). Crônica (2018). Escreve crônicas no JU desde 1993.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Reflexões
Reflexões
Sobre Artigos diários
Uberaba - MG Atualizado às 20h07 - Fonte: ClimaTempo
24°
Nuvens esparsas

Mín. 18° Máx. 30°

Qua 31°C 18°C
Qui 30°C 18°C
Sex 31°C 19°C
Sáb 30°C 20°C
Dom 29°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio
Enquete
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias