Coluna

Política

Cláudio Humberto

Cláudio Humberto

Cláudio HumbertoCláudio Humberto Rosa e Silva é um jornalista brasileiro, colunista e editor-chefe do Diário do Poder, responsável pela ascensão de Fernando Collor de Mello no cenário político nacional. Sua coluna é reproduzida em jornais de todo o Brasil.

19/11/2019 06h00
Por: Redação

“Meu governo tem os olhos postos no mundo, mas em primeiro lugar no Brasil”

Presidente Jair Bolsonaro em discurso para os líderes dos países do grupo do BRICS.

 

Câmara já ‘matou’ 43 projetos contra ‘caixa dois’

Os deputados federais fogem da criminalização do “caixa dois” como o diabo da cruz. Até agora, eles já “mataram” 43 projetos sobre o assunto. O primeiro é datado de 2009. E logo trataram de exterminar esse ponto do Pacote Anticrime do ministro Sergio Moro (Justiça). Por ser de Moro, que a maioria da Câmara teme e detesta, e por criminalizar o caixa dois, claro. E sempre se utilizam de uma velha jogada: fazem tramitar juntos, “apensados”, projetos sobre mesmo tema, condenando-os às gavetas.

 

Engrenagem rápida

O projeto de Moro foi apensado um mês após ser apresentado e, seis meses depois, estava engavetado com os demais 43 projetos.

 

Jogo rápido

O projeto que criminaliza arrecadar ou usar dinheiro ou bem em contabilidade “paralela” previa pena 2 a 5 anos. Já foi para o saco.

 

Projeto esquecido

Há quase 11 anos, no governo Lula, projeto do então deputado Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) tentou criminalizar o caixa dois. Foi para a gaveta.

 

Maia, o ‘zagueiro’

Requerimentos de “desapensação” e votação são apresentados, mas prontamente rejeitados pela Mesa Diretora presidida por Rodrigo Maia.

 

Seguro obrigatório virou fábrica de dinheiro fácil

O DPVAT foi criado por um sujeito esperto do ramo de seguros, bem relacionado nos governos militares. O pagamento obrigatório gerou faturamento tão espetacular que despertou cobiça e obrigou os espertos sócios do negócio a molharem a mão até do SUS, garantindo o perdão eterno. Ao ser extinto pelo presidente Jair Bolsonaro por meio da MP 904, essa fábrica de dinheiro fácil faturava R$9 bilhões por ano.

 

Livre-escolha no lixo

A lógica do DPVAT insulta a livre-iniciativa: o cliente não pode optar por uma seguradora que faça a melhor oferta pelo seguro obrigatório. 

 

Cartório despudorado

A empresa que fatura o DPVAT é escolhida por uma Seguradora Líder. O cliente otário não tem direitos, apenas a obrigação de pagar o boleto.

 

Rateio do butim

Após distribuir o dinheiro tomado na marra dos donos de veículos automotores, 55 seguradoras rateiam os lucros de valores siderais.

 

‘Sei o que você fez...

O futuro embaixador na Croácia, Mauro Vieira, está arrolado como uma espécie de “testemunha” de puxadinhos do PT que foram ao STF contra a decisão do governo de condenar Cuba na ONU. Para a esquerda atrasada, o Brasil tem a obrigação “constitucional” de aplaudir a ditadura.

 

...no verão passado’

Quando Mauro Vieira, ex-chanceler de Dilma, chefiava a representação do Brasil na ONU, assessores dele se recusaram a trabalhar numa visita do então presidente Michel Temer a Nova York. Nada lhes aconteceu.

PODER SEM PUDOR

Eu nomeio, você paga

O falecido Humberto Lucena (PB) adorava nomear parentes, quando presidiu o Senado. Ao ser tachado de “a caneta mais rápida de Brasília”, chamou o repórter que o ironizara ameaçando processo. E lorotou: “Nomear parentes só é pejorativo no Sul. No Nordeste, o povo até gosta.” O jornalista, nordestino como Lucena, mas de Pernambuco, perdeu a paciência. Puxou o senador pelo braço e disse ao seu ouvido, firme, quase gritando: “Nós dois sabemos que o sr. está mentindo, mas vou fingir que não ouvi.” Lucena não tocaria mais no assunto. Nem processaria o jornalista.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

www.diariodopoder.com.br

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários