Banner prefeitura Covid
Saúde

Má alimentação causa obesidade infantil

Crianças com excesso de peso têm risco maior de se tornarem adolescentes e adultos obesos

19/11/2019 06h00
Por: Redação

A antiga associação de que criança gordinha é criança saudável não vale mais, embora as vovós teimem em continuar acreditando nela. Crianças com excesso de peso têm risco maior de se tornarem adolescentes e adultos obesos. E a consequência do aumento de peso é o desenvolvimento precoce de doenças crônicas como diabetes, hipertensão, colesterol alto e doenças cardiovasculares.

A alimentação tem papel fundamental em todas as etapas da vida, especialmente nos primeiros anos, que são decisivos para o crescimento e desenvolvimento, para a formação de hábitos e para a manutenção da saúde na vida adulta.

Quando o bebê nasce, o leite materno deve ser o alimento exclusivo nos primeiros seis meses de vida. A amamentação reduz em 13% a mortalidade até os cinco anos, evita diarreia e infecções respiratórias, diminui o risco de alergias, diabetes, colesterol alto e hipertensão, leva a uma melhor nutrição e reduz a chance de obesidade. Apesar de a prática da amamentação ter aumentado no Brasil, sua duração ainda é menor do que a recomendada. Duas em cada três crianças menores de seis meses já recebem outro tipo de leite, sobretudo leite de vaca, frequentemente acrescido de alguma farinha e açúcar, e somente uma em cada três crianças continua recebendo leite materno até os dois anos de idade.

“A primeira prática para prevenção da obesidade infantil é o aleitamento materno. Depois, a introdução de alimentos saudáveis quando a criança completa 6 meses de vida. E para as crianças maiores, o segredo é evitar o consumo de alimentos ultraprocessados. Antes de 2 anos, o ideal é que as crianças não consumam alimentos que tenham açúcar e também não consumam alimentos ultraprocessados porque os hábitos são formados nessa idade. As crianças precisam conhecer os alimentos saudáveis para fazerem escolhas saudáveis na vida adulta”, resume Gisele.

Problema de saúde pública – A obesidade infantil acontece quando uma criança apresenta peso maior do que deve para sua idade e altura. As faixas de Índice de Massa Corporal (IMC) determinadas para crianças são diferentes dos adultos e variam de acordo com o gênero e a idade. Muitos fatores contribuem para o ganho de peso, mas os maiores vilões são a alimentação inadequada e a inatividade física associada ao excesso de horas de tela e ambiente em que as crianças estão inseridas.

O programa Crescer Saudável, parte do Programa Saúde na Escola, é uma das principais estratégias do Ministério da Saúde para prevenir a obesidade infantil. No início desse ano, 4.118 municípios aderiram ao Programa e receberam repasse de R$ 38,8 milhões para executarem ações de promoção da saúde. Para o próximo ano, o repasse está vinculado ao cumprimento de 4 metas: avaliar o estado nutricional das crianças, ou seja, ir na escola pesar e medir as crianças; fazer ações de promoção da alimentação saudável e de atividade física na escola; e quando identificar uma criança com excesso de peso na escola, encaminhar para acompanhamento na USF para que a equipe da atenção primária possa ofertar os cuidados.

A alimentação inadequada e a falta de atividade física são as principais causas da obesidade infantil, mas o ambiente em que a criança está inserida também contribui bastante. Para a coordenadora geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Gisele Bortolini, é preciso proteger a criança da exposição e da publicidade de alimentos não saudáveis. “A família tem papel fundamental na escolha dos alimentos que são oferecidos às crianças, mas temos que tomar cuidado para não culpabilizar os pais”, adverte.

Desde os primeiros anos de vida, as crianças estão consumindo pouca variedade de alimentos saudáveis como frutas, verduras, alimentos in natura ou minimamente processados e estão sendo expostas muito cedo a doces, frituras, gorduras e alimentos ultraprocessados que podem prejudicar a sua saúde. “Alimentos ultraprocessados são formulações industriais que normalmente tem pouca comida de verdade na sua composição. Se na lista de ingredientes tem muitos nomes que você não reconhece, é sinal de que é um alimento industrializado, como o refrigerante, a bolacha recheada e o salgadinho”, ensina Gisele.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários