Saúde

A ansiedade é o transtorno de saúde mental mais frequente entre as pessoas, relata psiquiatra

Entre os sintomas estão pensamento agitado e dificuldade em conviver com as preocupações

19/11/2019 06h00Atualizado há 3 meses
Por: Redação
Alguns dos sintomas presentes na ansiedade são tensão intensa, muito frequente ou constante, pensamento agitado, dificuldade em conviver com as preocupações, angústia e dificuldades de conciliar o sono - Foto: Pixabay
Alguns dos sintomas presentes na ansiedade são tensão intensa, muito frequente ou constante, pensamento agitado, dificuldade em conviver com as preocupações, angústia e dificuldades de conciliar o sono - Foto: Pixabay

 

Soraya Utsumi

Especial para o JU

A ansiedade é o principal transtorno de saúde mental e o mais frequente entre as pessoas, como lembra o médico psiquiatra na Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Luiz Carlos Fortes Filho, que possui título pela Associação Brasileira de Psiquiatria. O transtorno equivale a um conjunto de sinais e sintomas, pode corresponder a vários tipos de ansiedade e, como causa sofrimento e prejuízos à pessoa, pode ser considerado uma doença.

Para o psiquiatra e best-seller Augusto Cury, a ansiedade é o mal do século, menos perceptível que a depressão, e decorre da Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA), que segundo ele atinge mais de 80% dos indivíduos, gera má qualidade de vida e insatisfação crônica. “Não apenas o conteúdo pessimista dos pensamentos é um problema que afeta a qualidade de vida, mas – o que não se sabia – também a velocidade exagerada desses pensamentos”, afirma no livro “Ansiedade – Como enfrentar o mal do século”. 

O autor aborda o complexo processo de construção dos pensamentos, de formação do Eu como gestor psíquico, e salienta que “janelas traumáticas” contêm ciúme, timidez, fobias, insegurança, sentimento de incapacidade que bloqueiam outras janelas e “impedem o Eu de dar respostas assertivas nas provas da vida”. 

Todos possuem algum grau de ansiedade, mas a ansiedade excessiva pode ser um indicativo de que se deve procurar um psiquiatra. Segundo Fortes Filho, os sintomas são tensão intensa, muito frequente ou constante, pensamento agitado, dificuldade em conviver com as preocupações, angústia (sensação de aperto no peito),  dificuldade em conciliar o sono, prejuízos à concentração, problemas para se socializar,  relaxar ou para se apresentar em público, medo excessivo (fobias), além de sintomas físicos tais como dores pelo corpo, dores de cabeça,  palpitações no coração, zonzuras, desconfortos abdominais, tremores e crises como ataques de pânico.

Para o psicólogo André Luiz Moreno, que possui doutorado em Saúde Mental pela Universidade de São Paulo e é especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental, os transtornos de ansiedade são responsáveis por sofrimento intenso e prejudicam fortemente a qualidade de vida das pessoas diagnosticadas. “As dificuldades envolvem capacidade laboral, prejuízos em relações interpessoais e maiores gastos com saúde. Esses prejuízos são causados tanto pelos pensamentos e comportamentos relacionados ao transtorno quanto pelo impacto secundário dos sintomas na vida dos pacientes”, esclarece. 

Ele afirma que um dos sintomas associados aos transtornos de ansiedade de maneira geral é a presença de pensamentos disfuncionais autodepreciativos, ao se desenvolver uma visão de si mesmos como vulneráveis a ameaças, superestimando o potencial ameaçador de situações cotidianas e subestimando sua capacidade de enfrentamento para lidar com essas situações.

“A psicoterapia é fundamental para o tratamento de ansiedade, pois permite ao paciente desenvolver habilidades adequadas de enfrentamento, bem como compreender as variáveis envolvidas no desenvolvimento e manutenção do transtorno, além de ser importante para a manutenção dos resultados após o alívio dos sintomas”, salienta. Ele ainda aponta que a terapia cognitivo-comportamental é considerada a modalidade de psicoterapia com maior amparo científico para o tratamento dos transtornos de ansiedade, já que envolve a orientação para o presente, a discussão assertiva dos sintomas, a reestruturação de pensamentos disfuncionais e a mudança de comportamentos.

O psicólogo também faz considerações sobre a duração do tratamento. “O tempo de tratamento para os transtornos de ansiedade está relacionado a diversas variáveis, tais como capacitação do terapeuta, motivação do paciente para o tratamento, adesão às atividades propostas em terapia e suporte social adequado. Assim, não é possível determinar de maneira geral quanto tempo o paciente estará em tratamento. Porém, é possível observar uma melhora significativa nos sintomas geralmente após as 12 primeiras sessões”.  

O psiquiatra Luiz Carlos Fortes Filho também revela que a ansiedade pode levar a outras doenças ou estar associada a elas. “Ansiedade pode ser identificada como um transtorno ou  ‘doença’  própria,  por exemplo, transtorno de ansiedade generalizada, transtorno de pânico,  fobia de lugares fechados,  fobia social, ou pode fazer parte de outros problemas psiquiátricos,  tais como estar presente na depressão,  no transtorno bipolar, na esquizofrenia e em outras psicoses,  ou ser uma ansiedade orgânica associada a problemas como hipertireoidismo, doenças da suprarrenal, abstinência ou uso de bebida alcoólica ou drogas, efeitos colaterais de alguns medicamentos, dentre outros”. 

Ele explica que, para muitos casos, ajuda psicológica para lidar com certas situações e promover mudanças na realidade ou na forma de lidar com o estresse e com certos pensamentos são suficientes para tratar o transtorno ansioso. “Medicamentos alternativos tais como fitoterápicos ou homeopatia também ajudam alguns pacientes.  Meditação, música, arte e esportes também são potentes instrumentos. Porém, para transtornos moderados a graves e que não melhoraram com essas medidas, os psicofármacos devidamente orientados podem ser extremamente necessários”, ressalta. 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários