Boletim

Minas registra 99 casos de sarampo e investiga outros 568

A segunda fase da Campanha de Vacinação contra o Sarampo começou na segunda-feira (18)

19/11/2019 06h00
Por: Redação
Segunda etapa da campanha começou nesta segunda e prossegue até dia 30, com foco para jovens adultos com idade entre 20 e 29 anos, mas vacina está disponível para população de 6 meses a 49 anos - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segunda etapa da campanha começou nesta segunda e prossegue até dia 30, com foco para jovens adultos com idade entre 20 e 29 anos, mas vacina está disponível para população de 6 meses a 49 anos - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Maria das Graças Salvador

O número de casos suspeitos de sarampo continua aumentando em Minas Gerais, mesmo depois de a Secretaria de Estado de Saúde ter desativado a Sala de Situação do Centro de Operação de Emergência em Saúde (Coes) Sarampo, no último dia 29 de outubro. Segundo comunicado da SES na época, a desativação “foi tomada tendo em vista a diminuição no número de notificações e suspeitas de sarampo no estado”.

Entretanto os números continuam assustando. A SES divulgou boletim, no último dia 14, apontando que já foram confirmados 99 casos de sarampo e 568 estão em investigação, neste ano. No boletim anterior, de 23 de outubro, eram 74 confirmações. Segundo o boletim, a partir de junho de 2019, o número de casos suspeitos aumentou, e já são 1.766 notificações, vindas de 250 municípios mineiros. Desses, 1.103 (62,15%) foram descartados, 568 (32,1%) estão em investigação e 95 (5,4%) casos foram confirmados, sendo detectados novos casos e cadeias de transmissão da doença.

O risco de propagação rápida da doença se deve ao fato de o vírus do sarampo ser altamente contagioso. O micro-organismo pode passar de uma pessoa a outra por meio de secreções expelidas ao tossir, falar, espirrar ou até pela respiração. O contágio pode se dar ainda por dispersão de gotículas no ar em ambientes fechados. Como há anos a doença não se manifestava no país, muitos desconhecem os riscos da virose, que já provocou mortes no Brasil neste ano.

No boletim anterior, Uberlândia era a cidade com maior número de casos, com 20 casos, contra 18 de Belo Horizonte. No boletim atual a situação inverteu e Belo Horizonte é a cidade com mais casos, 36, e Uberlândia 23. Ou seja, a capital mineira dobrou o número de confirmações e Uberlândia teve mais duas confirmações. 

Na região do Triângulo também teve mais duas confirmações, em Araguari, que está com duas confirmações, além de Frutal, que já tinha uma confirmação, em dois boletins anteriores. 

Até agora, 26 municípios confirmaram casos. Além de Belo Horizonte, 36, e Uberlândia, 23, Juiz de Fora tem 6 casos confirmados; Ribeirão das Neves, com 5; Pouso Alegre, 3; Araguari, 2; Além Paraíba; Camanducaia; Frutal; Inhapim; Itaúna; Mercês; Muriaé; Nova Serrana; Ouro Branco; Passa Quatro; Pedralva; Poço Fundo; Poços de Caldas; Rio Acima; Sabará; Toledo; Ubá; Unaí; Viçosa e Visconde do Rio Branco, têm um caso confirmado em cada município. Vale lembra que os outros quatro casos, importados, ocorreram no primeiro trimestre e a cadeia de transmissão foi contida.

 

Brasil – Segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, no início deste mês, já são 10.429 casos de sarampo confirmados neste ano. Segundo o boletim do Ministério da Saúde, são Paulo representa 90,5% de todas as infecções, que estão concentradas em 192 municípios paulistas.  O documento aponta que desde janeiro foram registrados 49.613 casos suspeitos; 10.429 casos foram confirmados (21%); 19.647 descartados; 19.537 ainda são investigados e foram confirmadas 15 mortes, sendo 14 em São Paulo, a última em Limeira, e uma no município de Taquaritinga do Norte, em Pernambuco.

São Paulo lidera, com 5.123 casos; seguido por Paraná (227), Rio de Janeiro (70) e Minas Gerais (67), de acordo com o boletim oficial do MS. Entretanto, quando foi divulgado este boletim, Minas já tinha 74 confirmações e agora são 99, o que significa que os números de sarampo no país são bem maiores. Isto ocorre porque, segundo o próprio ministério, as secretárias de estado têm acesso mais rápido aos dados. 

 

Campanha – A segunda fase da Campanha de Vacinação contra o Sarampo começou nesta segunda-feira (18) e termina dia 30 de novembro, sendo o Dia D de Mobilização dia 30. Esta segunda fase será direcionada para jovens adultos com idade entre 20 e 29 anos que ainda não atualizaram a caderneta de vacinação. A faixa etária é a que acumula o maior número de casos confirmados de sarampo, de acordo com o último boletim epidemiológico, por isso a importância desta etapa para interromper a cadeia de transmissão do vírus no país. 

Para que a vacina faça efeito no organismo da pessoa, é necessário tomar todas as doses previstas no Calendário Nacional de Vacinação: duas doses a partir de 12 meses a 29 anos e uma dose para a população de 30 a 49 anos. Atualmente, em virtude dos surtos de sarampo, há ainda a recomendação do Ministério da Saúde de aplicar uma dose extra, a chamada ‘dose zero’ em crianças de seis meses a menores de um ano. Esse público está mais suscetível a casos graves e óbitos. Das 14 mortes pela doença no Brasil, sete foram em menores de cinco anos de idade.

São 19 Estados brasileiros que estão com surto de sarampo e a única forma de interromper essa cadeia de transmissão e de prevenir contra o sarampo é por meio da vacinação. Em Minas Gerais, a estimativa de não vacinados dentro dessa faixa etária é de 1.412.123 milhão, sendo 447.650 indivíduos de 20 a 24 anos e 964.473 pessoas entre 25 e 29 anos. É importante ressaltar, ainda, que a vacina tríplice viral está disponível para toda a população, de 6 meses a 49 anos, na rotina dos serviços de imunização. Para isso, basta a pessoa ir até o posto de saúde mais próximo de sua residência com o cartão de vacina e se imunizar.

 

Pesquisa – Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, conseguiram mostrar que o vírus do sarampo pode apagar, em média, 20% da memória imunológica do nosso organismo. Isso significa que pessoas que contraíram o vírus do sarampo têm risco aumentado de terem outras doenças infecciosas, inclusive doenças que o organismo já havia criado defesas. É como se o vírus do sarampo fosse a chave para liberar a entrada para novas doenças.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários