Prefeitura - Carnaval
Novo

Novo reprova empresária Elisa Araújo, que anuncia desfiliação do partido

O método peculiar de escolha dos candidatos do Novo se assemelha ao de grandes empresas para selecionar trainees

21/01/2020 06h00
Por: Redação
Presidente da Fiemg Regional Vale do Rio Grande, Elisa Araújo, mostrou sua indignação com o método do partido - Foto: Divulgação
Presidente da Fiemg Regional Vale do Rio Grande, Elisa Araújo, mostrou sua indignação com o método do partido - Foto: Divulgação

 

Maria das Graças Salvador 

Principal partido de viés liberal do país, o Novo não terá um candidato a prefeito de Uberaba e nem vereadores em 2020. Aliás, candidata. Uma das postulantes com nome forte para a sucessão do prefeito Paulo Piau, Elisa Araújo, não passou pelo crivo do Novo.

A presidente da Fiemg Regional Vale do Rio Grande, arquiteta e empresária enviou nota no domingo informando que não participará do pleito pelo Partido Novo e, foi além, anunciou sua desfiliação. 

“Comunico que minha participação no Partido Novo chegou ao fim. Fui informada de que não estarei na próxima fase do processo seletivo para o cargo de prefeita de Uberaba. Respeito os critérios da entrevista, mas, neste momento, sigo firme para trabalhar para aqueles que acreditam em uma cidade melhor e mais justa. Agradeço o apoio do Diretório do Novo em Uberaba e do Diretório Estadual. Estou em contato com uma liderança partidária e, em breve, comunicarei a sigla com a qual seguirei no pleito de 2020”, informou Araújo.

A direção do Novo em Uberaba também enviou nota. “O núcleo do Novo de Uberaba se reuniu com seus filiados e apoiadores no domingo (19/01) para levar notícias atualizadas a respeito do Processo para as eleições de 2020. Foram lembrados os pré-requisitos para participação nas eleições municipais. Município com mais de 300 mil habitantes, atingir 150 filiados ativos até junho de 2019, captar R$ 60 mil para financiar a criação do diretório. E ter pelo menos um candidato a prefeito aprovado no Processo Seletivo”, afirma a nota.

Ainda segundo a direção do Novo em Uberaba, foi determinado pelo Diretório Nacional que cada estado poderá ter uma cidade-exceção, que terá processo para vereador, mesmo sem cumprir o critério de um prefeito aprovado e informa que Juiz de Fora que foi a cidade escolhida para ser exceção.

Também apresentou os fatos cronologicamente. “Em 3 de maio de 2019 atingimos a meta de 150 filiados ativos. Entre setembro a outubro tivemos oito candidatos inscritos no Processo Seletivo para Prefeito. Em outubro três candidatos foram aprovados para a 2° fase sendo que um deles optou pela desistência do Processo. Em janeiro, os últimos dois candidatos foram comunicados de sua não continuidade na 3ª fase do Processo Seletivo. Os fatos, considerando as regras apresentadas, não permitem que o Novo Uberaba participe das eleições municipais de 2020, tanto na eleição majoritária quanto na proporcional. Sabendo disso, nesse momento, o núcleo trabalha juntamente com os diretórios estadual e nacional para uma possível inclusão de Uberaba como cidade-excessão (sic). Todos os meios estão sendo postos para que nossa cidade possa ter candidatos do Novo nas próximas eleições. O Novo Uberaba agradece a todas as pessoas que se inscreveram no Processo Seletivo e demonstraram interesse em trabalhar pela bandeira da Liberdade e renovação pelo nosso partido. No momento aguardamos retorno do diretório nacional e, em breve, esperamos trazer boas notícias. Contamos com a ajuda de todos os nossos filiados e apoiadores.

 

Método – O método peculiar de escolha dos candidatos do Novo se assemelha ao de grandes empresas para selecionar trainees. As fases do processo englobam análise de currículo, teste de compatibilidade com os valores da sigla, avaliação por banca de membros do partido e teste de prática de campanha.

O Novo tem até o dia 30 de junho para registrar as candidaturas de seus filiados. Logo em seguida, entre julho e agosto, deve anunciar os nomes dos escolhidos, nas tradicionais convenções partidárias que antecedem o período de campanha.

O Partido Novo nasceu em 2011, fruto da indignação e descrença de cidadãos comuns com a classe política brasileira. Em 2015, foi oficialmente registrado com o 33º partido político brasileiro na Justiça Eleitoral. Nas eleições de 2018, estreou na disputa por cargos federais. Neste ano, entra nas corridas eleitorais municipais pela segunda vez.