Prefeitura - Carnaval
Saúde

Medicina Interativa: você conhece?

No Brasil, a legitimação e a institucionalização destas abordagens complementares iniciaram-se a partir da década de 80

28/01/2020 06h00
Por: Redação
142
Ginecologista e mastologista, Cléber Sérgio da Silva, destaca a importância do autocuidado - Foto: Ari Moraes;HHA
Ginecologista e mastologista, Cléber Sérgio da Silva, destaca a importância do autocuidado - Foto: Ari Moraes;HHA

A medicina contemporânea tem um modelo segmentar de avaliar os agravos à saúde e desta forma temos médicos de coração, rins, cabeça, sistema reprodutor e por aí afora. Por regra, o diagnóstico das diversas doenças, geralmente parte dos sintomas em cada local do corpo.  

Segundo explica o médico ginecologista e mastologista do hospital Hélio Angotti, Cléber Sérgio da Silva, a Medicina Integrativa e Complementar é também denominada pela Organização Mundial da Saúde -OMS, de medicina tradicional e complementar/alternativa. “Tais sistemas e recursos envolvem abordagens que buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde, por meio de tecnologias eficazes e seguras, com ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade”, explica o médico. 

Outros pontos compartilhados pelas diversas abordagens nesse campo são a promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado. São modalidades de Práticas Integrativas e Complementares reconhecidas pelo Ministério de Saúde a acupuntura, homeopatia, plantas medicinais e fitoterapia; arte terapia, ayurveda, biodança, dança circular, meditação, musicoterapia, reiki, shantala, yoga, dentre outras.

No Brasil, a legitimação e a institucionalização destas abordagens complementares iniciaram-se a partir da década de 80, principalmente após a criação do SUS. “As diversas modalidades de práticas integrativas em saúde visam desenvolver uma visão ampliada dos processos de adoecimento e saúde. Para isso, o foco é no indivíduo e não na doença, respeitando a diversidade humana em todas as suas formas de expressão”, ressalta o médico.

Ainda sobre a Medicina Integrativa, Cléber Sérgio, destaca que as práticas podem ser incorporadas aos diferentes níveis de atenção à saúde. “Em termos oncológicos é importante o enfrentamento das doenças, mesmo as terminais, porque o objetivo é a qualidade de vida da pessoa e não exclusivamente a cura da doença”, finaliza ele. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.