Prefeitura - Carnaval
Santuário do Caraça

Anualmente, cerca de 70 mil pessoas visitam o antigo seminário

A pousada tem 41 apartamentos e oito quartos com banheiros externos

02/02/2020 06h00
Por: Redação

Fundado em 1774 para ser uma casa de hospedagem para a acolhida de peregrinos e visitantes, que quisessem, principalmente, se converter e mudar os rumos de sua vida, o Santuário do Caraça foi novamente reativado como pousada a partir da década de 1970, depois de 150 anos dedicados à educação e à formação intelectual de meninos e de seminaristas. Os imperadores Pedro I e Pedro II estiveram lá. No seu passeio pelo local, dom Pedro II escreveu: “Só a visita ao Caraça vale a viagem a Minas”.

A pousada tem 41 apartamentos e oito quartos com banheiros externos, além de algumas casas, com acomodações mais simples, para a hospedagem de até 200 pessoas. Suas diárias são com pensão completa, isto é, com direito a café da manhã, almoço e jantar, além da entrada na reserva natural.

O santuário pertence à Província Brasileira da Congregação da Missão e passou a ser uma reserva particular do patrimônio natural em 1994, consolidando sua vocação religiosa e ecológica. O Colégio do Caraça formou, durante seus 150 anos de existência, grandes nomes da elite mineira, inclusive homens que vieram a ser presidentes da República e governadores, entre eles, Afonso Pena e Artur Bernardes. 

Em 1968, um incêndio queimou cerca de 10 mil dos 25 mil volumes da biblioteca do colégio. Com o incêndio, o colégio foi fechado. Mais tarde, o prédio foi restaurado e a melhor alternativa encontrada foi aproveitar o patrimônio natural, histórico e cultural, abrindo a área para visitação pública.

O complexo do Caraça, abriga a primeira igreja do Brasil em estilo neogótico. Importantes peças históricas podem ser apreciadas, tais como os vitrais franceses doados por dom Pedro II. A relíquia do mártir São Pio, intacta há 200 anos, guardada no Santuário Nossa Senhora Mãe dos Homens, e um órgão com 700 tubos completam sua riqueza.