Prefeitura- coronavírus
Mosaic
Botox

Botox para tratar suor excessivo: saiba mais

O suor é um mecanismo do corpo usado para manter a temperatura adequada

10/03/2020 06h00
Por: Redação

A hiperidrose é uma condição médica pela qual a pessoa produz suor excessivamente, mesmo em situações que não causariam essa resposta do organismo, em casos normais.

O suor é um mecanismo do corpo usado para manter a temperatura adequada, evitando que ele aqueça demais, principalmente, no verão, quando as temperaturas estão elevadas, ou se a pessoa pratica atividades físicas, por exemplo.

Em pessoas com hiperidrose, o suor excessivo pode acontecer mesmo quando as temperaturas estão baixas, e se a pessoa estiver de repouso, situações nas quais não ocorreria normalmente.

Ocorre que, pacientes com sudorese excessiva, têm as glândulas sudoríparas superativas, o que pode levar a uma situação de desconforto físico e emocional.

De acordo com uma pesquisa do Instituto IPSOS, cerca de 10,7% da população se incomoda com o suor excessivo, sendo que 43% dos entrevistados relatam que esse desconforto é mais significativo na axila.

No entanto, a hiperidrose em si afeta entre 2 e 3% da população. Acredita-se que a doença tenha relação com fatores genéticos e emocionais, mas também pode ocorrer devido algumas patologias como: câncer, derrame, Parkinson e outras condições.

 

Como é o tratamento para hiperidrose? - Até alguns anos atrás, apenas pessoas com sudorese excessiva recorriam aos tratamentos, pois a principal técnica usada era a cirurgia para retirada das glândulas sudoríparas.

Devido tratar-se de uma intervenção mais invasiva, apenas pessoas com quadros mais graves da condição optaram por essa solução.

A aplicação da toxina botulínica, conhecida popularmente como Botox, transformou essa situação por viabilizar uma opção mais prática de tratamento.

A toxina botulínica é uma substância produzida pela bactéria chamada Clostridium botulinum, causadora da doença botulismo. No entanto, a versão usada nos tratamentos é industrializada e purificada, além de ser usada em doses mínimas.

A substância atua impedindo que as sinapses cheguem ao músculo ou glândula que recebe a aplicação.

No caso do tratamento da sudorese excessiva, a toxina botulínica inibe a ação da acetilcolina, um neurotransmissor responsável por regular a produção de suor pelas glândulas sudoríparas.

A aplicação tem início com o uso de um anestésico tópico para minimizar o desconforto da aplicação e é feita assepsia do local. Posteriormente o especialista injeta a substância em pontos com 1 a 2 cm de distância entre eles.

Em geral, a transpiração começa a diminuir em cerca de 48 horas após a aplicação da substância, o que é considerado um resultado rápido.

No entanto, o tratamento não é definitivo, pois a toxina botulínica é metabolizada e eliminada do organismo entre 6 e 9 meses, demandando novas aplicações periódicas. Após algum tempo, torna-se possível fazer a rotina de aplicação anual, em média.

Como a condição é influenciada pela ansiedade, o tratamento é beneficiado quando o paciente consegue controlá-la durante o procedimento.

 

Quando o Botox é recomendado para tratar suor excessivo?

Como visto, entre 2 e 3% da população tem uma atividade exacerbada das glândulas sudoríparas causando a hiperidrose, no entanto, menos de 40% dos pacientes buscam auxílio médico e tratamento.

De fato, o suor excessivo não costuma ter relação com problemas de saúde, ainda que a perca acelerada de líquidos possa demandar uma rotina de hidratação mais frequente.

Dessa forma, a principal motivação para buscar auxílio médico é o desconforto emocional e social relacionados à sudorese excessiva, como ficando com marcas nas roupas, mãos suadas com frequência, entre outros problemas.

A sudorese é mais comum nos pés e nas mãos, nas axilas e com menor frequência no rosto e no couro cabeludo. Todas as regiões podem ser tratadas com a toxina botulínica, desde que haja uma avaliação médica apropriada.

O tratamento é contraindicado em casos específicos, como pacientes alérgicos a algum componente da fórmula, mulheres grávidas ou lactantes, pessoas com doenças neuromusculares, imunológicas e coagulopatias e pacientes com doenças dermatológicas no local do tratamento.

Ainda assim, não são poucas as pessoas que têm recorrido à toxina botulínica para tratamento do suor excessivo. A lista, inclusive de famosos, é extensa e inclui atores como Juliana Paes, Malvino Salvador, Agatha Moreira e Fernanda Souza, e também o cantor Kevinho.

Entre as motivações desses profissionais destaca-se à exposição frequente a situações que intensificavam a sudorese, como gravações por extensas horas ou mesmo shows.

No entanto, qualquer pessoa que se sinta incomodada com o suor excessivo pode recorrer à técnica que garante mais conforto aos adeptos.

Portanto, o uso de botox para tratar o suor excessivo é cada vez mais recorrente, mas é essencial que a avaliação e tratamento sejam conduzidos por um cirurgião plástico de confiança.