Mosaic
Prefeitura- coronavírus
Automobilismo

FIA antecipa férias das equipes da F1 e deixa agosto livre para corridas adiadas

O período de fechamento das fábricas das equipes passa a ser de 21 dias

19/03/2020 06h00
Por: Redação
Fábrica da Ferrari em Maranello, na Itália - Foto: Divulgação
Fábrica da Ferrari em Maranello, na Itália - Foto: Divulgação

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou a antecipação das férias das equipes de Fórmula 1 de agosto para março/abril. O objetivo da mudança é deixar o mês de agosto livre para a remarcação das corridas adiadas devido à pandemia mundial de coronavírus. Além disso, o período de fechamento das fábricas das equipes passa a ser de 21 dias, sete a mais do que seria em agosto.

“À luz do impacto global do coronavírus COVID-19, que atualmente afeta a organização dos eventos do Campeonato Mundial de Fórmula 1 da FIA, o Conselho Mundial de Automobilismo aprovou uma mudança nos Regulamentos Esportivos da FIA de Fórmula 1 de 2020, mudando o período de parada do verão de julho e agosto para março e abril e estendendo-o de 14 para 21 dias. Todos os concorrentes devem, portanto, observar um período de paralisação de 21 dias consecutivos durante os meses de março e / ou abril. A mudança foi apoiada por unanimidade pelo Grupo de Estratégia da F1 e pela Comissão da F1.”

O calendário da Fórmula 1 em 2020 sofreu impactos severos devido à pandemia de Covid-19. O GP da Austrália foi cancelado, enquanto as corridas de Barein, Vietnã e China estão adiadas. As equipes vão se reunir nesta quinta-feira para discutir um novo calendário.

A Ferrari anunciou o fechamento de suas fábricas de Fórmula 1 e carros de rua. Já a Mercedes ainda não se manifestou sobre uma possível suspensão de suas atividades, mas todos os funcionários que voltaram de Melbourne, onde seria disputado o GP da Austrália, ficarão isolados por pelo menos duas semanas. Um mecânico da equipe hexacampeã mundial foi contaminado com o vírus.

Já a McLaren, que teve um funcionário infectado, divulgou que outros sete funcionários testaram negativo. Um integrante da equipe da Pirelli, fornecedora de pneus da F1, também testou positivo. Já o fotógrafo que apresentou sintomas foi testado, mas não está com a doença e foi liberado.