Mebox
Cidade

O cabeleireiro que encantou os jovens e irritou os coronéis

Como em um jogo de cartaz marcadas, o destino preparou para Ronaldo exatamente o local onde anos antes dera início ao exercício de sua profissão

28/03/2020 05h00
Por: Redação

Walter Farnezi

Especial para o JU

 

O jornalista e radialista Ataliba Guaritá Neto, o Netinho, titular na coluna Observatório, no extinto centenário Lavoura e Comércio tentou por três vezes cortar o cabelo no novo e já badalado salão, instalado no recém inaugurado Edifício Rio Negro, ocupando uma sala na galeria comercial mais charmosa de Uberaba e região, entregue à comunidade entre o final de 1969 e início de 1970. Depois de três tentativas frustradas, Netinho aceitou então a norma estabelecida pelo cabeleireiro Ronaldo Perfeito da Cunha e agendou dia e hora para que fosse atendido. No procedimento, ouviu de Ronaldo a garantia de que quando chegasse, a cadeira estaria livre para se sentar.

O jornalista gostou do atendimento, do corte e ainda do bate-papo com o jovem Ronaldo. Para a surpresa do cabeleireiro, na edição do dia seguinte, ao foliar o vespertino, deparou-se com nota de abertura na coluna Observatório, onde o ilustre cliente do dia anterior tecia elogiosos comentários ao seu trabalho e ao formato de seu micro empreendimento, o Salão Ronaldo Cabeleireiro. "Para evitar espera, o cabeleireiro Ronaldo, instalado na Galeria do Edifício Rio Negro, trabalha no estilo dos grandes salões do eixo Rio-São Paulo. Devido ao elevado número de clientes e para evitar a espera, o profissional abriu seu salão para trabalhar nos moldes dos grandes cabeleireiros brasileiros, ou seja, com hora marcada para o corte de seu cabelo", assinalou o colunista na nota.

Ronaldo iniciou-se ainda muito jovem na profissão. Nascido em 1943, em Uberaba, aos 13 anos de idade teve sua primeira experiência em salão de cabeleireiro, porém, em Uberlândia, onde esteve uma temporada morando e trabalhando de engraxate no salão do tio. Dali, foi um passo para rapidamente aprender a cortar cabelo. De volta a Uberaba, o adolescente Ronaldo teve o incentivo de uma namoradinha para que procurasse um salão para trabalhar. Quem sabe, pesou ele, ao ouvir a sugestão da namorada, que trazia no detalhe o fato de ser quatro anos mais velha que ele. Sua primeira  experiência foi exatamente onde seria erguido o edifício Rio Negro, onde no futuro se instalaria em uma sala na charmosa galeria. Era 1961 e o Salão Avenida, na av. Leopoldino de Oliveira, onde ele havia se iniciado, deu lugar a um canteiro, após a demolição do antigo prédio para início das obras de fundação do arranha-céu. Seu espaço para trabalhar, no entanto, limitava-se aos sábados ou aos horários em que o proprietários lhe disponibilizava a cadeira e instrumentos. 

Jamais ele imaginaria, no entanto, que sua mudança para um outro salão, no ano seguinte, onde conseguiu vaga para trabalhar de segunda a sexta-feira, em horário comercial, o traria problemas com grandes pecuaristas de Uberaba (coronéis como eram tratados à época}, já em projeção por todo o país pela excelência na seleção do gado Zebu. Propriedade de Geraldo Luiz da Silva, o Salão Lord, instalado no hall de entrada do edifício onde funcionava o Palace Hotel, na praça Rui Barbosa, esquina da Rua São Sebastião, em frente a residência do pecuarista Cel. Manoel Mendes. Elvis Presley já era sucesso pelo mundo todo e os Beatles também já embalavam a juventude em todo o mundo rock and Roll, no ritmo do iê iê iê. Cabelos longos, cobrindo a orelha e a nuca, franja, enlouqueciam sobretudo as meninas. O jovem cabeleireiro Ronaldo, roqueiro assumido, usava corte de cabelo da moda, com formato extravagante para a época, sobretudo para sociedade conservadora em terra dominada pelos coronéis do Zebu. Seu comportamento, sua maneira de se vestir, seu gosto musical aguçaram a preferência dos filhos dos pecuaristas para a contrariedade dos pais.  Diziam que até seu corte de cabelo influenciava seus filhos

Um grupo de pais, procurou então o proprietário do Salão Lord para exigir que o jovem cabeleireiro voltasse a usar corte de cabelo denominado à época americano, como usara no período em que esteve alistado ao Serviço Militar, encerrado no ano anterior. Ronaldo não acatou a ordem vinda do pais de seus clientes, através do proprietário do salão e "o tempo fechou". Uma campanha entre famílias fora desencadeada para mudar o comportamento do jovem cabeleireiro, que na opinião dos conservadores influenciava seus filhos a aderir à moda dos cabelos longos. Veio o Golpe Militar em 1964 e com ele duros ataques a opositores e aos jovens com comportamento considerado subversivo à ordem e a tradições. Ronaldo ainda fazia uso de lança-perfume, comum à época, sobretudo nos bailes de carnaval, até esta ter seu uso proibido, em 1966. Nesse período, como todo jovem considerado fora dos padrões sociais da época, Ronaldo recebeu o rótulo de comunista e pagou   alto preço por teimar em usar cabelos longos e curtir rock and. Roll. Um processo e a ausência dos clientes, sobretudo os filhos dos pecuaristas, esvaziou seu salão e pôs fim, aparentemente, a um futuro promissor para ao jovem profissional. Deixou o Salão Lord e moveu ação trabalhista contra o proprietário Geraldo Luiz da Silva. Perdeu a causa, pois não havia vínculo empregatício, alegou o reclamado e o Juiz do Trabalho arquivou o processo.

 

Salão Novo, vida nova                         

Como em um jogo de cartaz marcadas, o destino preparou para Ronaldo exatamente o local onde anos antes dera início ao exercício de sua profissão (Salão Avenida), mais ainda em antigo prédio onde no futuro próximo seria instalado o seu exuberante salão, acomodado na charmosa galeria, no novo edifício Rio Negro, onde atendeu o badalado jornalista, já em 1970.  Ronaldo acertou a vida com mais essa oportunidade e abriu o reinicio de suas atividades profissionais. Em negociação com diretores da empreendedora, responsável pelo projeto de construção do Rio Negro, o cabeleireiro aguardou somente o término das obras, uma vez que já havia assegurado com o proprietário da empresa a locação de uma sala para instalar seu salão, o primeiro somente seu. Enquanto aguardava a entrega da sala, com a obra em fase final, se mandou para São Paulo para escolher a sua cadeira nova, a primeira sob sua aquisição e usada até hoje, porém, em outro espaço, no Edifício Chapadão, à rua Major Eustáquio. Era 1968, anos de mudanças na vida social e política do país, com a edição do Ato Institucional 5, o AI-5, e Ronaldo cuidou primeiro de atender a sua nova clientela. Tudo diferente e usual para a época em se tratando de salão de cabeleireiro em Uberaba: sem espera e com hora marcada, ar condicionado, tapete, sofá, revistas à disposição em uma mesinha se centro e, claro, o garoto engraxate. Sucesso total e o mais procurado da cidade.

 

De volta à política                                                    

O cabeleireiro Ronaldo deu sequência à sua profissão, com salão lotado diariamente, já casado com Neusa Ribeiro da Cunha, pai de três filhas (Patrícia, Débora e Taciana) no início dos anos de 1970, acumulando respeito entre clientes, simpatia, popularidade, mantendo-se longe da política, já que o próprio regime Militar impedia atuação democrática, pois foi adotado a partir de 1965 pelos militares o bipartidarismo, com apenas Arena(situação) e MDB(oposição). 

 

De volta aos estudos

Na década de 1970, Ronaldo voltou à escola que havia abandonado ainda na adolescência para se dedicar ao trabalho. Formou-se em direito em 1979, colando grau em janeiro de 1980. Um ano antes, no entanto, aceitou convite do amigo, também advogado Vicente Paulo Oliveira e com ele fundou o diretório municipal do Partido Democrático Trabalhista PDT, logo após o início do processo de abertura democrática do pais, quando a sigla teve como fundador Leonel Brizola, ainda no exilio, quando promoveu o primeiro congresso dos trabalhistas em Lisboa, Portugal. Hoje Ronaldo Perfeito da Cunha conta que passou a admirar Leonel Brizola, quando tomou conhecimento de que o gaúcho havia doado terras de sua propriedade para um programa de Reforma Agraria no Rio grande do Sul. A sigla PDT também serviram de iniciais para os nomes das filhas, Patrícia, Débora e Taciana. Montou seu escritório para advogar junto ao seu novo salão, pois havia se transferido em 1978 para o Edifício Chapadão, onde está até hoje, em sala adquirida por ele com tudo que ganhara trabalhando no estabelecimento da av. Leopoldino de Oliveira, na charmosa galeria. Filiado ao PDT, com cargo de vice-presidente na Executiva do Diretório Municipal da agremiação, Ronaldo engajou-se na luta pela anistia e no processo de redemocratização do país, exercendo a advocacia e a profissão de cabeleireiro. Candidatou-se a vereador em 1982, primeiras eleições democráticas, mas só alcançou 29 nove votos. "Não havia tempo e muito menos dinheiro para a campanha", conta.

Advogou por dois anos, voltou a se candidatar a vereador seis anos depois, em 1988, mas desistiu da campanha a uma semana do pleito por discordar de negociatas e conchavos, segundo ele, da direção da sigla com os interesses que elegeriam Hugo Rodrigues da Cunha(PFL) prefeito de Uberaba. Mesmo assim, embora tenha abandonado a campanha obteve 299 votos. A advocacia deixou quando teve negado na Justiça a seu acompanhamento à Ação Popular contra Wagner do Nascimento, no processo conhecido como "Escândalo da Amgra". Ao tentar protocolar petição na tentativa de ter acesso aos autos, foi barrado pelo Juiz Márcio Antônio Correa, sob a justificativa de que o processo corria em segredo de Justiça. "Como em segredo de Justiça se é uma ação popular". Indagou em seu desentendimento com o magistrado. Ele diz não se conformar até hoje com o ocorrido. Contudo, à época, preferiu deixar a advocacia e voltar-se tão somente à profissão de origem.

 

Perseguição e rótulo de comunista

Mais uma vez, agora no final da década de 1980, Ronaldo sofre perseguições da elite conservadora devido a seu comportamento e desta vez por militância política, sobretudo por se alinhar às fileiras formadas por um ex-exilado que voltara ao pais com a anistia, trazendo na bagagem suas velhas teses socialistas. Para seu espanto a campanha contra ele não era liderada pelos coronéis, mas pelos filhos destes, os mesmos jovens clientes do passado que lhe acompanhavam no modelo do corte de cabelo quando foi perseguido, no início da década de 1960, levando a irritação os pais coronéis, no início de carreira. Mais uma vez rotulado como comunista, agora pela sua adesão ao movimento socialista de Leonel Brizola e o seu discurso contra a candidatura conservadora de Hugo Rodrigues da Cunha. Tudo isso justamente no bate-papo   estabelecido quando cortava o cabelo do velhos clientes, agora na faixa de quarenta anos e que no passado também lhe rendera popularidade e a fama, aliadas a simpatia.

A partir daí, nunca mais seu salão de cabeleireiros apresentou filas, formatadas em sua agenda de papel, ainda sobre a mesa de trabalho com uma caneta e um telefone fixo. Nunca mais sua clientela foi a mesma em volume e numerário, embora até hoje ainda atenda à terceira e quarta gerações de alguns poucos clientes do passado. Na década de 1990, viu sua clientela ser reduzida ainda mais, devido suas opiniões sobre os destinos da Nação, embora desta feita somente como cidadão e eleitor. Nunca mais desde que desistiu de sua candidatura a vereador, em 1988, militou em política partidária, embora mantenha a sua filiação ao PDT.

 

Novo Golpe, novas perdas  

Mais uma vez, seus comentários nos bate-papos com clientes, mesmo procurando reserva para se resguardar de perseguições o cabeleireiro Ronaldo viu acentuar ainda mais a queda da clientela. Hoje ele ainda trabalha, aos quase 77 anos a completar em julho próximo, mas com agenda de papel em páginas quase vazias, atendendo um ou outro cliente ou descendentes de alguns daqueles dos bons tempos. Para Ronaldo, sua posição ao desenrolar de um planejamento pela direita que culminou com a queda do governo Dilma Rousseff, com o retrocesso, que levou ao poder novamente os conservadores, sob a liderança de Jair Bolsonaro, de certa forma, coloca a si e seu salão em situação de esvaziamento como tudo que ocorreu em toda a Nação em se tratando de extinção dos avanços alcançados a duras penas nos anos sucedidos pela abertura democrática. "Não me arrependo, faria tudo de novo, hoje pelo futuro de meus seis netos e a construção de um país melhor para as gerações que virão, certamente após a minha partida deste mundo", garante ele.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários