Banner prefeitura Covid
Coluna

Cultura

Luiz Hozumi

Luiz Hozumi

Luiz HozumiProdutor cultural, publicitário, especialista em gestão e políticas culturais. [email protected]

23/04/2020 05h00
Por: Redação

HÁ QUE SE REFLETIR

Em um passado não tão distante, sendo mais preciso no Carnaval deste ano, em fevereiro, e na comemoração do aniversário da cidade de Uberaba, no início de março, a prefeitura municipal teve um gasto aproximado de 2 milhões de reais, entre cachês de shows, estrutura e contratações diversas para os dois eventos. E, neste valor, não contabilizaram nem 10 grandes shows em poucos dias de programação, sendo um final de semana de carnaval e um domingo da comemoração dos 200 anos de Uberaba. Foi divulgado patrocínio de 05 empresas que aportaram 600 mil reais. Ainda assim, houve uma despesa aos cofres públicos da ordem de 1,4 milhão, número não exato, repito.

Quase toda a pauta das festas girou em torno de artistas nacionais e pouco, ou quase nada, refletiu na imensidão de talentos que a cidade possui. Algumas bandas locais foram convidadas a participarem e, como sempre, além da música, outras áreas foram totalmente esquecidas, o que vem acontecendo desde a declaração da pandemia do novo Corona vírus no planeta, novamente em um passado não tão distante, ainda no mês de março. Teatro, dança, circo, artes plásticas, literatura, artes visuais, artesanato e, até mesmo, a música e todas as manifestações culturais da cidade, foram totalmente esquecidas pelo poder público municipal. Junte aí todas as pessoas e empresas que trabalham com eventos diversos como casamentos, aniversários, formaturas, entre outros que também contam com profissionais da cultura em sua base. No país são 5,2 milhões de trabalhadores da cultura, o que representa 2,3% da população. Se fizermos o mesmo cálculo para Uberaba são aproximadamente 6.600 pessoas que vivem do fazer cultural, os dados não são exatos, porque não existem pesquisas locais que os confirmem.

Novamente, um ato falho do poder municipal em não saber mensurar um setor, e assim, igualmente não saber gerir e nem aplicar nenhuma política pública para a área. E, levando em consideração que a informalidade na cultura atinge mais ou menos 45% dos profissionais podemos contar que temos, na cidade, mais de 3 mil trabalhadores da cultura sem carteira assinada e sobrevivendo sem direitos trabalhistas. Ainda assim, a prefeitura de Uberaba e a Fundação Cultural não apresentaram nenhuma proposta para diminuir os impactos da pandemia para estes trabalhadores. É ainda de saltar aos olhos o fato de, na semana passada, o legislativo ter aprovado um crédito adicional de 3,4 milhões para reforma do mercado municipal, pauta do executivo. Imaginem se juntássemos os 2 milhões do carnaval e aniversário da cidade com estes 3,4 milhões do mercado, não sou bom de contas, mas fica difícil interpretar que não há dinheiro para a cultura, além de ser inacreditável não haver nenhuma proposta para apoio, suporte ou manutenção da economia criativa na cidade.

A proposta não é distribuir dinheiro aos trabalhadores (não acredito que seria uma solução), mas sim dar condições para que passem por este período turbulento e consigam, após isso, dar continuidade em suas vidas. De qualquer forma, se hipoteticamente fosse essa uma alternativa, 5,4 milhões de reais dividido por 3 mil trabalhadores informais, geraria uma quantia de 1.800 reais por artista, podendo ser divididos em 3 parcelas de 600 reais, o que complementaria o auxílio emergencial oferecido pelo governo federal, somando um valor próximo ao salário mínimo. O que o próprio nome já diz: é o mínimo. O enfrentamento da crise na saúde é pontual, mas e a crise da desigualdade e do descaso? Há que se refletir, na e além da quarentena.

 

BANDA UBERABENSE FARÁ LIVE EM PARCERIA COM O FESTIVAL AFROPUNK

A banda Black Pantera de Uberaba que mistura Punk e Heavy Metal fará nesta sexta-feira, dia 24 de Abril, live através do perfil oficial do Aforpunk, movimento que nasceu como festival mas hoje é uma das mais importantes frentes de cultura negra no mundo, abrangendo várias áreas. O trio uberabense já tocou em edições “físicas” do Afropunk em Paris e em Nova York, e também está confirmado no line-up da primeira edição do festival no Brasil, em Salvador com datas marcadas para 28 e 29 de Novembro de 2020. A transmissão acontece às 18h simultaneamente no perfil do Instagram https://www.instagram.com/afropunk/ que tem mais de um milhão de seguidores e no canal do Youtube da banda.  

 

MÚSICOS DE UBERABA SE REÚNEM EM CLIPE ONLINE

O #projetolilás surgiu da ideia dos músicos da banda Triploo, Aender e Ethienne, com intuito de transmitir uma mensagem positiva em meio à crise na saúde e na economia, principalmente na área artística. Para eles o vírus transmite medo e anseios, mas a música pode transmitir paz e segurança. Dessa forma convidaram outros músicos da cidade, entre cantores e instrumentistas, para se unirem neste propósito. A música escolhida foi Lilás, de Djavan, a produção sonora e visual ficou por conta de Aender Vilaça e contou com vídeos dos músicos de suas próprias casas. Os artistas envolvidos no projeto são da banda Triploo: Aender Vilaça (violão e voz), Clayton Martins (voz), Ethienne Beatryce (voz) e Renato Lima (bateria). Entre banda B4, Projeto ao Cubo, Bside Square, Black Pantera, DuRockers e artistas solo, os músicos convidados foram: Marco Fábio (voz), Mike Zoeli (voz), Juliana Gomes (voz), Pablo Carvalho (voz), Leslye de Paula (voz), Leandro Fernandes (voz), Chaene Gama (baixo), Geraldo Júnior (baixo), Paulo Vínicius PV (Guitarra Solo), Edu Caldeira (Guitarra Solo), Dudu Hermano (Percussão Eletrônica), Rafael Castro (Teclado). Acompanhe no canal do Youtube da banda Triploo: YouTube.com/triploo; 

 

INSCRIÇÕES PRORROGADAS PARA PRÊMIO DÉCIO NOVIELLO

A Fundação Clóvis Salgado e a Associação Pró-Cultura e Promoção das Artes (APPA) informam que as inscrições para o Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais e para o Prêmio Décio Noviello de Fotografia da Fundação Clóvis Salgado foram prorrogadas. Os artistas podem se inscrever até dia 7 de maio de 2020, de forma gratuita. A atual edição marca a troca de nomes anunciada em 2019, na qual o Edital de Ocupação FCS de Artes Visuais e o Edital de Ocupação FCS de Fotografia passam a ser identificados como Prêmio Décio Noviello em homenagem ao artista mineiro falecido recentemente. As inscrições são realizas pela primeira vez de forma exclusivamente digital. Todas as orientações sobre a documentação exigida, o link para acesso à plataforma e o passo a passo para a inscrição estão disponíveis no site da Fundação Clóvis Salgado: www.fcs.mg.gov.br. Podem se inscrever artistas e coletivos do Brasil e do exterior, desde que possuam visto de permanência definitivo no país. Os artistas selecionados receberão R$10.000,00, para cada exposição coletiva, e R$8.000,00 para as individuais. Dúvidas sobre o edital podem ser esclarecidas pelo e-mail [email protected]

 

MULTIPLIQUE PARA O BEM 

Cantor Gustavo Achcar faz live nesta sexta, dia 24 de Abril às 20h em prol do Hospital Hélio Angotti. A trasmissão será nas redes sociais do cantor @gustavoachcaroficial, que espera a interação, participação do público, além das doações para a instituição. 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários