Coluna

Lawrence Borges

Bastidores

24/04/2020 05h00
Por: Redação
Circo instalado no Parque Fernando Costa está sendo expulso - Foto: Divulgação
Circo instalado no Parque Fernando Costa está sendo expulso - Foto: Divulgação

CRISE CIRCENSE

O isolamento social, medida adotada para impedir a propagação do coronavírus (Covid-19), atingiu duramente também os circos, que tiveram de interromper suas atividades. As dificuldades enfrentadas pelas famílias de um circo instalado em Montes Claros, no Norte de Minas. Diante da pandemia, motivaram uma campanha solidária por parte da população. A ação teve como principal mobilizador o ator e humorista Dedé Santana, nomeado “Embaixador do Circo" no Brasil.

 

EM UBERABA

Artistas circense que instalaram circo nas dependências do Parque Fernando Costa, na ABCZ, impedidos de realizar suas atividades estão sendo expulsos das dependências. Segundo informações dos artistas, a diretoria da ABCZ proibiu inclusive de utilizar os sanitários e quer eles fora do recinto. A coluna BASTIDORES entrou em contato com a assessoria de imprensa da ABCZ para esclarecimentos, mas até o fechamento da edição não houve retorno.

 

CALAMIDADE PÚBLICA

Foi aprovado ontem, em Reunião Extraordinária da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Resolução (PRE) nº 88/2020 do deputado Delegado Heli Grilo (PSL). Com isso, está reconhecido o Decreto nº 5.443 de 6 de abril de 2020, que determinou Estado de Calamidade Pública em Uberaba. A solicitação do parlamentar foi feita após ofício do prefeito Paulo Piau.

 

RECORDE

O Brasil contabiliza 3.313 mortes por Covid-19 e 49.492 pessoas diagnosticadas com a doença. A taxa de letalidade do vírus no país é de 6,7%. Os dados são de ontem e foram divulgados em plataforma do Ministério da Saúde. Nas últimas 24 horas, o país registrou 407 novos óbitos por conta da contaminação e 3.735 novos casos da doença - o balanço de ontem apontava 165 mortes nesse intervalo de tempo.

 

MINAS GERAIS

O novo coronavírus matou quatro pessoas e infectou mais 25 em Minas nas últimas 24 horas. São no total, 51 óbitos e 1.308 contaminados, segundo informações da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). O estado investiga 85 mortes, cinco a mais desde o último balanço. Os casos suspeitos somam 77.775, contra os 77.744 registrados na quarta-feira (22). 

 

DE OLHO EM ZEMA

Os deputados estaduais deram aval, ontem, a um projeto que obriga o Governo do Estado a detalhar, ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-MG) e à Assembleia Legislativa, todas as aquisições feitas pelo Executivo para enfrentar o novo coronavírus. O Parlamento aprovou, ainda, a necessidade da divulgação, no site da Transparência Estadual, de todos os contratos emergenciais assinados pelo governo do estado em virtude do surto de infecções por Covid-19. Após serem votadas em turno único, as matérias seguem, agora, para sanção do governador Romeu Zema (Novo).

 

BLOQUEIO DE SALÁRIO

O juiz Friedmann Anderson Wendpap, da 1ª Vara Federal Civil de Curitiba, determinou o bloqueio de 10% dos salários de Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do governo Jair Bolsonaro no Senado, e dos deputados federais Luiz Fernando Faria (Progressistas/MG), Arthur Lira (Progressistas/AL) e Eduardo da Fonte (Progressistas/PE). Eles são alvo de ações de improbidade movidas pela força-tarefa da Operação Lava Jato em razão de supostos esquemas de propinas na Petrobrás.

 

NO LIMITE

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, teria chegado ao seu limite, ameaçando pedir demissão ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ontem. O motivo foi o anúncio feito pelo presidente de que vai trocar o comando da Polícia Federal. Bolsonaro tenta agora reverter o pedido de Moro.

 

MAIS DEMISSÕES

O presidente Jair Bolsonaro está convencido de que não precisa mais de Sérgio Moro e de Paulo Guedes no governo. Por isso, resolveu esvaziar os ministros da Justiça e da Economia, até bem pouco tempo vistos como estrelas da Esplanada dos Ministérios. A estratégia é eliminar possíveis presidenciáveis em 2022.

 

IMPEACHMENT NA GAVETA

Os advogados José Rossini Campos do Couto Corrêa e Thiago Santos Aguiar de Pádua apresentaram ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a analisar um pedido de impeachment movido por eles contra o presidente Jair Bolsonaro. A ação está sob relatoria do ministro Celso de Mello, decano da Corte.

 

PEDIDO LIMINAR

Em caráter liminar, os advogados pedem que alguns poderes presidenciais, como a nomeação de ministros; decreto de estado de sítio; nomeação de magistrados e comando das Forças Armadas, sejam transferidos para o vice-presidente, Hamilton Mourão. Outras solicitações incluem a divulgação dos testes de Bolsonaro para Covid-19 e a proibição de publicações nas contas oficiais do presidente que contrariem recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

18º PEDIDO DE IMPEACHMENT 

O PDT - partido do ex-ministro Ciro Gomes, que participou da última disputa presidencial - entrou na quarta-feira (22), com o 18º pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por crimes de responsabilidade, insurgência contra o direito à saúde e crimes contra a segurança nacional. A medida havia sido anunciada mais cedo, nas redes sociais, pelo presidente da agremiação, Carlos Lupi.

 

SUSTO

A Vale acionou o protocolo de emergência nível 1 do dique Borrachudo II, na Mina do Cauê, situada em Itabira, no Vale do Rio Doce. A informação foi divulgada ontem pela mineradora. 

 

NOTA

Segundo a empresa, o procedimento é preventivo, já que a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) da estrutura permanece válida. A população, portanto, não será retirada, tampouco haverá impactos na produção de 2020. A mineradora informou que a intervenção tem é uma medida de precaução acertada junto aos órgãos de fiscalização internos, que visa coletar informações sobre as condições atuais de drenagem da barragem. 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários