Coluna

Lawrence Borges

Bastidores

25/04/2020 05h00
Por: Redação
Lerin está sem filiação partidária - Foto: Divulgação
Lerin está sem filiação partidária - Foto: Divulgação

ANOITECEU E NÃO AMANHECEU

O ex-deputado estadual Antonio dos Reis Lerin fez mistério quanto sua filiação partidária, e amanheceu filiado no pequeno PMN, enquanto afirmava ter filiado diretamente no PDT Regional com o presidente estadual Mário Heringer.

 

ENTENDA

Segundo o ex-deputado Lerin nunca assinou qualquer ficha de filiação no PMN, apenas participou de conversa com representantes do partido escutando as propostas. E que o presidente do PMN de Uberaba Gleibe Terra efetuou a filiação sem a devida autorização.

 

JUSTIFICATIVA

Segundo o presidente do PMN Gleibe Terra, a filiação foi feita equivocadamente, após conferência pelo partido foi realizada a desfiliação no mesmo dia da filiação (04/04). Portanto, Lerin não está filiado no PMN.

 

FILIAÇÃO NO PDT

Em conversa com a coluna BASTIDORES, Lerin apresentou ficha de filiação do PDT assinada diretamente no diretório estadual do partido no dia 27/03/2020, e que a direção regional do PDT ficou de efetuar a filiação.

 

PDT UBERABA

O presidente do PDT Uberaba, o advogado Jacoob Estevam afirmou que desconhecia qualquer filiação de Lerin no PDT, e que não possuía sua ficha de filiação para lançar no sistema da Justiça Eleitoral.

 

E AGORA?

Lerin sustenta que acertou a filiação com o deputado Mario Heringer, presidente do PDT Estadual, assumindo o compromisso de construir o PDT na região, e que já acionou seus advogados para declarar nula a filiação do PMN e reconhecer a filiação no PDT.

 

ANDANDO JUNTO

Articuladores políticos sustentam que o presidente do Cidadania, Irizon Arantes, está reunindo com representantes do Solidariedade no intuito de convencer Elisa Araújo, a ser candidata a vice do vereador Kaká Carneiro no processo eleitoral de 2020.

 

DESMENTIU

Em conversa com a coluna BASTIDORES o presidente do Solidariedade de Uberaba, Eduardo Palmério, alegou que as informações não são verídicas, nem tampouco, ninguém possui autorização para reunir em nome do Solidariedade para tratar destes assuntos. Ainda, esclareceu que o partido não estamos conversando com as outras agremiações, por entender que é cedo para início de articulações e que não sabe se as eleições serão adiadas por causa da pandemia

 

EXONERADO

Depois de meses de ameaças, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conseguiu concretizar a sua vontade de exonerar o diretor-geral da Polícia Federal, delegado Maurício Leite Valeixo. O ato de exoneração saiu publicado na edição do Diário Oficial da União de ontem. 

 

MOTIVO DA EXONERAÇÃO

Há mais de um ano, o presidente vem manifestando o seu desejo de trocar o comando-geral da Polícia Federal. O projeto do presidente começou com o cargo da PF no Rio de Janeiro, onde um de seus cinco filhos, o senador Flávio Bolsonaro, é alvo de processo sobre esquema conhecido como 'rachadinha' - assim denominado acerto fraudulento de contratação de assessores sob condição de abrirem mão de parte do salário em favor de quem o contratou.

 

PEDIU PARA SAIR

Sérgio Moro não é mais ministro da Justiça e Segurança Pública. Ele anunciou a saída durante pronunciamento na manhã de ontem, na sede da pasta, em Brasília, em função da interferência política, segundo o ex-juiz. O substituto ainda não foi anunciado. A saída ocorre depois de algumas desavenças com presidente Jair Bolsonaro, sendo a última referente à demissão do diretor-geral da Polícia Federal, delegado Maurício Leite Valeixo, publicada ontem no Diário Oficial da União (DOU).

 

INTERFERÊNCIA NAS INVESTIGAÇÕES

Ao pedir demissão do cargo de ministro da Justiça ontem, Sergio Moro acusou o presidente Jair Bolsonaro de pretender uma "interferência política" na Polícia Federal e disse que esse seria o motivo da exoneração de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da corporação.

 

CRIME DO PRESIDENTE

As acusações feitas por Moro repercutiram imediatamente. Poucos minutos depois, dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Roberto Barroso e Marco Aurélio Mello, comentaram o episódio. O último chegou a falar na possibilidade de o presidente ter cometido crime comum e não descartou a abertura de um processo de impeachment.

 

CARLOS BOLSONARO

PF está próxima de pegar Carlos Bolsonaro por fake News. Policiais federais garantem que o filho do presidente é o mentor dos ataques disparados contra o STF e o Congresso

 

RECADO DE FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso mandou recado para Bolsonaro: 'Renuncie antes de ser renunciado'. Ex-presidente muda de ideia depois de revelações de Sergio Moro e pede para que se evite processo de impeachment

 

1comentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários