Política

Presidente do ICBC faz relato da situação da instituição

Presidente do ICBC, Felício de Jesus Dias da Costa, participa de sessão na Câmara Municipal

Os parlamentares receberam na terça-feira (9), no plenário, o presidente do Instituto dos Cegos do Brasil Central (ICBC), Felício de Jesus Dias da Costa, para falar sobre a situação da entidade.
Felício, que é deficiente visual, iniciou a sessão contando que em agosto deste ano o instituto estará completando 77 anos de existência. “São décadas educando e aparando as pessoas com deficiência visual sem nunca ter fechado as portas ou mesmo ter cobrado algo dos assistidos”, disse.
O presidente destacou que foi alfabetizado no próprio instituto. “Oferecemos berçário e maternal para aquelas crianças que apresentam múltiplas deficiências e o ensino fundamental. Além de uma gama de outros serviços, como terapia, fisioterapia, terapia ocupacional, orientação e mobilidade, atividades da vida diária e esporte. São várias ações com impactos importantes em nosso desenvolvimento.”
Felício aproveitou a oportunidade para sensibilizar os vereadores com relação à votação do Plano Diretor, o qual será apresentado na Casa e trará, entre suas propostas, o prolongamento da rua Pires de Campos. “Caso seja aprovada, a extensão passará dentro de área da instituição. Nesse espaço, futuramente, pretendemos construir um centro de cirurgia de catara. Gostaria de pedir a ajuda de todos vocês para que essa mudança não se torne uma realidade”, solicitou, sendo em seguida tranquilizado pelo vereador Agnaldo Silva (PSD), que garantiu a ele que algumas propostas [semelhantes à da rua Pires de Campos], pertencentes ao Plano Diretor, dificilmente passarão pela aprovação do Legislativo.
Outro projeto pretendido pelo instituto, segundo Felício, é a geração de energia fotovoltaica no local. “Precisamos criar estratégias que mudem a realidade financeira do ICBC. Hoje, cerca de R$ 6 mil mensais são pagos de energia elétrica. Nós, do terceiro setor, sofremos muito com a crise, e, por isso, precisamos da atenção e de ações dos nossos governantes para que possamos continuar com nossas atividades”, ressaltou.
O vereador Alan Carlos da Silva (Patri) elogiou a entidade e destacou a necessidade de sensibilização das autoridades da cidade. “O pleito apresentado aqui não é da instituição, mas sim do município. O ICBC tem assumido serviços que são atribuições do poder público, como é o caso do projeto educacional voltado para deficientes.”
Almir Silva (PR) relatou a importância de implementar projeto federal de energia fotovoltaica e também de conceder isenção de impostos cobrados nas contas de energia elétrica a entidades que prestam serviços na área da saúde – ambos oriundos de demandas assinadas pelo vereador e encaminhadas aos governos responsáveis. “Temos que facilitar a vida dessas instituições. Vou destinar emenda parlamentar para beneficiar o instituto, que executa um trabalho de excelência, nas áreas social, de educação e de saúde. Há a necessidade de elaboração de políticas públicas com o objetivo de resolver os problemas apresentados pelas instituições da cidade. Depender de doações é muito difícil. Outro tópico importante, já que estamos no último mês para Declaração do Imposto de Renda, é a divulgação a respeito da possibilidade de aplicar parte do imposto devido em doações para organizações filantrópicas e outras iniciativas ligadas à responsabilidade social. Precisa haver mais conscientização”, pontou Almir.
Felício contou que o instituto possui convênio com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social – Seds, mas como ainda não foi concluída a burocracia do processo, a entidade está há quatro meses sem receber os repasses. “Estamos sem essa ajuda, que é importante para a entidade. Atualmente, o ICBC recebe R$ 30 mil referentes a recursos do SUS. Conseguimos dar um salto nesse repasse, feito pelo Sistema Único de Saúde, de R$ 7 mil para R$ 30 mil, conquistado depois de muito trabalho”, respondeu o presidente, depois de ser questionado sobre os valores pelo vereador Kaká Carneiro (PR).
Na oportunidade, Kaká reafirmou seu compromisso com o instituto. “Enquanto homem público estarei ajudando a instituição. Além disso, atendendo ao meu pedido, o deputado federal Aelton Freitas, através de emenda impositiva, reservou recurso da ordem de R$ 100 mil para a entidade”, contou.
Felício encerrou sua participação convidando todos os parlamentares a conhecerem os trabalhos realizados pelo Instituto dos Cegos do Brasil Central (ICBC). Participaram ainda dos pronunciamentos os vereadores Cleomar Marcos de Oliveira – Barbeirinho (PHS), Denise Max (PR) e Rubério dos Santos (MDB)

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.