Nacional

Pressão por saída de Vélez vai de ala militar a política

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, durante a posse do novo presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues, em janeiro deste ano

Oficialmente, o governo nega a intenção de demitir o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez. Tampouco admite a fragilidade dele no cargo. Pelo contrário.
Apesar da defesa pública de Vélez, nos bastidores, a pressão pela troca do ministro, que coleciona polêmicas, também coleciona novas adesões.
De ministros da ala militar a parlamentares da base aliada, Vélez é descrito como um ministro na prorrogação. O impasse estaria em definir quem seria o substituto.
Dos argumentos contrários a Vélez colhidos pelo blog, até a defesa de que o presidente deveria ter escolhido um ministro brasileiro entrou nas rodas de conversas desta semana.
Além da conhecida briga de poder na pasta – Olavo de Carvalho versus ala militar – um novo imbróglio ganhou a semana: é o impasse sobre o eventual substituto de Vélez.
De um lado, há a defesa para que seja um nome do DEM – partido que já tem três ministros, além do presidente da Câmara e do Senado. Um dos nomes costurados para o MEC é o de Mendonça Filho, que ocupou o cargo no governo Temer.
O problema: dentro do próprio DEM, há dúvidas se o partido deveria trabalhar por Mendonça. Motivo? Diferentemente de Tereza Cristina e Luiz Mandetta, Mendonça representaria a cúpula, a própria “cozinha” do DEM dentro do Planalto.
Em outras palavras: o discurso de que a escolha dos ministros do DEM são, na verdade, escolhas pessoais do presidente Bolsonaro não vale para Mendonça. Ele é unha e carne com o presidente do partido, o prefeito de Salvador, ACM Neto, e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – dois personagens que não cansam de repetir que o DEM é independente.
Com Mendonça, o discurso não colaria, o que significa que o DEM entraria de corpo e alma no governo. Somado a isso, o partido ainda sente os traumas de ter mergulhado no governo de Michel Temer e, diante da crise ética que se instalou, ter sofrido derrota nas urnas – caso do próprio Mendonça.
Por isso, lideranças do partido ouvidas pelo blog afirmam que uma adesão mais orgânica do DEM ao governo Bolsonaro só acontecerá se o presidente der o cargo e o poder de decisão ao eventual indicado.
Oficialmente, no entanto, políticos afirmam que não houve nenhum aceno do Planalto a Mendonça. E que trata-se de uma defesa de grupos do DEM e de alguns ministros, que têm a expectativa de que o assunto MEC seja tratado no encontro deste sábado entre Bolsonaro e Maia.
Além de Mendonça, parlamentares afirmaram ao blog que há uma ala política que defende o nome de Anderson Correia, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), para o MEC.
Mas, claro, falta combinar com o presidente Bolsonaro – que é quem bate o martelo das nomeações e que, segundo o ministro da Casa Civil, mantém confiança absoluta em Vélez e não vai demiti-lo.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.