Estado de Minas

Rede estadual preparada para alunos com autismo

Políticas da Educação trabalham inclusão e boa convivência, além das especificidades de cada estudante

Se a professora Ariadna Gonzaga pudesse explicar em poucas palavras como é ensinar para uma criança autista, ela poderia resumir em “construir um laço afetivo e estar aberta para o aprendizado mútuo”. Ariadna, que trabalha na Escola Estadual São Pedro e São Paulo, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, está em seu segundo ano como professora de apoio de um aluno de 11 anos, que está cursando o 7º ano do ensino fundamental e cujos pais já questionaram a educadora sobre quais métodos ela usa depois de perceberem o desenvolvimento do filho. A resposta dela foi simples: “Foi ele quem me mostrou o caminho”.
No mês em que se comemora o Dia Mundial de Conscientização do Autismo (dia 2), Ariadna, que é especializada em educação para pessoas com deficiência – condição fundamental para ser uma professora de apoio na rede estadual em Minas Gerais –, garante que é a experiência da convivência com alunos especiais a forma mais primorosa de aperfeiçoamento. “Quando se tem um estudante autista ou com qualquer outro tipo de transtorno de desenvolvimento, é preciso trabalhar de acordo com as especificidades dele, sempre alinhando o aprendizado cognitivo à socialização. No entanto, é o aluno quem vai te mostrar como ele é e te ajudar, aos poucos, a construir os laços necessários para se estabelecer uma rotina de acordo com o que pede o seu Plano de Desenvolvimento Especializado (PDI), feito no início do ano letivo com base no diagnóstico pedagógico das demandas do aluno”, explica a professora.
A Secretaria de Estado de Educação (SEE) conta com 4,2 mil estudantes com Transtorno do Espectro Autista matriculados, de acordo com o Censo Escolar 2018. A secretaria trabalha em toda a sua rede para que a oferta do ensino seja universal e inclusiva, garantindo o acesso ao conhecimento sem nenhuma forma de discriminação, ou seja, todas as escolas estaduais estão aptas a receberem alunos com deficiência.
Para isso, é oferecido o Atendimento Educacional Especializado (AEE), que tem por objetivo levar aos alunos com deficiências, transtornos do desenvolvimento e superdotação/altas habilidades, a atenção especializada que lhes possibilite a participação plena na escola. Este atendimento, em caráter complementar e de apoio, permite ao aluno um melhor aproveitamento de suas potencialidades, melhorando seu processo de aprendizagem e facilitando a sua inclusão nas classes comuns.
A diretora de Educação Especial da SEE, Maria Luiza Gomes Passos Vieira, explica que os profissionais para o apoio e suporte aos alunos são disponibilizados nas escolas conforme a necessidade e as atribuições a serem desenvolvidas, identificados a partir de uma avaliação pedagógica do estudante. O AEE em salas de recurso é ofertado no turno inverso ao de escolarização do aluno. A rede estadual possui 10,8 mil profissionais de Apoio à Comunicação, Linguagem e Tecnologia Assistiva e cerca de 2 mil para o Atendimento Educacional Especializado em salas de recursos.
“Essa assistência personalizada garante a inclusão e o desenvolvimento do aluno autista ao mesmo tempo em que ele se socializa com seus pares de idade, e isso contribui muito para o seu crescimento. Temos vários relatos de familiares que constataram a melhora nos processos cognitivos de seus filhos depois de serem transferidos para o Ensino Regular, em vez de continuarem em escolas exclusivas. A Secretaria de Educação tem investido na aprendizagem dos estudantes autistas e a grande frequência deles nas escolas mostra isso”, disse Maria Luiza.
A diretora da escola São Pedro e São Paulo, Rosane Belico, afirma que as políticas de inclusão da SEE sempre foram absorvidas por toda a comunidade escolar. “Se tem coisas que podemos dizer que praticamos aqui todos os dias é inclusão e respeito. São cerca de 50 estudantes com deficiência, sendo que 20 deles são autistas. Todos os alunos têm uma aceitação maravilhosa uns dos outros, além de serem pacientes e colaborativos com aqueles que mais precisam”, afirma Rosane, que atua desde 1978 como educadora de alunos especiais na rede estadual de ensino.
Durante o mês de abril, várias escolas estaduais de Minas Gerais programaram atividades especiais em comemoração ao Dia de Conscientização sobre o Autismo. Além de palestras e trabalhos pedagógicos, as ações envolvem apresentação de teatro, contação de histórias e brincadeiras.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.