Política

Saiba qual é a política externa dos candidatos

Política externa não foi um tema muito discutido pelos candidatos no primeiro turno, mas ele promete ser um desafio para o futuro presidente da República. O programa de assuntos internacionais de Jair Bolsonaro (PSL) não tem um coordenador oficial declarado. A proposta de relações externas de Fernando Haddad (PT) é inspirada por Celso Amorim, ex-chefe do Itamaraty. Mangabeira Unger, ex-secretário de assuntos estratégicos, conduz os planos de Ciro Gomes (PDT) para a área.
Conheça as opiniões dos concorrentes sobre alguns temas essenciais de política externa

1) Venezuela – Mais de 2,3 milhões de venezuelanos deixaram o país desde 2014 em busca de emprego e segurança. Perto de 60 mil deles vieram para o Brasil, muitos foram alvos de ataques xenofóbicos em Roraima.
Bolsonaro. Favorável à criação de campos de refugiados para receber migrantes na fronteira e à saída de Nicolás Maduro do poder.
Haddad. Retomada do diálogo diplomático com a Venezuela de Maduro e reconhecimento dos direitos de refugiados do país vizinho no Brasil.

2) América Latina – As propostas de integração regional para negociar em bloco com as grandes potências balançam diante das divergências políticas internas e as propostas de acordos bilaterais com EUA e China.
Bolsonaro. Fim da “ideologização” da política exterior brasileira e fortalecimento de laços com países latino-americanos “livres de ditaduras”.
Haddad. Diplomacia “Sul-Sul” (entre os países do Hemisfério), incluindo África, e prioridade a blocos multilaterais, como o Mercosul e a Unasul.

3) EUA e China – O governo Trump impôs uma série de sobretaxas sobre as mercadorias chinesas, cujo baixo preço afeta as indústrias estrangeiras, e sofreu retaliações comerciais, numa disputa que ultrapassa US$ 100 bilhões.
Bolsonaro. Restrição a investimentos chineses no Brasil e aproximação com EUA, Israel e Taiwan. Prioridade para redução de tarifas e acordos bilaterais.
Haddad. Fortalecimento dos laços com os BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China). Política externa ativa, independente e multilateral.

4) Aquecimento global – O Acordo de Paris, assinado por 195 países, propõe a cortar poluentes do efeito estufa. O Brasil se comprometeu a reduzir emissões de CO2 em 43% até 2030 e reflorestar 12 milhões de hectares. O Ministério da Agricultura calcula que o país gastará US$ 40 bilhões para implementar as medidas
Bolsonaro. Defesa da saída do Acordo de Paris, como os Estados Unidos fizeram, pois o tratado fere a soberania e tem um preço elevado para o país.
Haddad. Apoio ao Acordo de Paris e redução de até 46,5% nos impostos sobre investimentos “verdes” (de baixo impacto ambiental).

5) Nações Unidas – Desde o governo FHC o Brasil busca protagonismo no organismo, e um dos pilares da política externa de Lula era ter vaga permanente no Conselho de Segurança. As Nações Unidas enfrentam críticas pela inação em crises internacionais, como as de Ruanda e Bálcãs, e pelo custo de sua burocracia. Recentemente, o governo Trump abandonou alguns de seus órgãos.
Bolsonaro. Crítico ao Comitê de Direitos Humanos – principalmente após ele ter defendido a candidatura de Lula. Não deseja se retirar da ONU.
Haddad. Reforma da Organização das Nações Unidas e do Conselho de Segurança para incluir países em desenvolvimento.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.