Estado de Minas

Sobre a Fundação Renova

Renova vai investir nos projetos aprovados das chamadas 092018 e 10 2018

A Fundação Renova foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.
É uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar, com autonomia técnica, administrativa e financeira, as ações de reparação e compensação socioeconômica e socioambiental nas áreas impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão.

Outras chamadas – Antes da parceria com a Fundação Renova, a Fapemig já havia lançado outras duas chamadas voltadas para a recuperação da Bacia do Rio Doce, uma para o desenvolvimento de tecnologias e outra para apoiar redes de pesquisa. Ambas as chamadas, 04/2016 e 06/2016, respectivamente, estão em suas fases finais, com os primeiros relatórios conclusivos sendo entregues.
Dentre as tecnologias propostas estudadas está o aproveitamento do rejeito de mineração para base de pavimentação. Outra frente de pesquisa estuda aproveitar o mesmo rejeito de mineração para a produção de tijolos.
“Devemos ter, em breve, um leque de relatórios que serão enviados e teremos à disposição tecnologias que poderão ser aplicadas a favor da sociedade”, vislumbra o diretor da Fapemig.
O aporte total da Fapemig nestas duas chamadas é de R$ 8 milhões e o trabalho é fruto de uma parceria com a Capes e a Fapes.
Ainda segundo Paulo Sérgio Beirão, mais uma chamada, desta vez voltada para a área da saúde e agroecologia, vai ser anunciada em 2019.

A chamada atual será voltada para a área da saúde e agroecologia
Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.