DestaquePolítica

Uberaba coloca em prática nova política pública para acolhimento de andarilhos

A Prefeitura de Uberaba, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Seds) está intensificando os trabalhos de ronda social, acolhimento, encaminhamento e outras providências, em toda a cidade, especialmente pontos de maior concentração de moradores de rua, como nas imediações do terminal rodoviário, por exemplo.
O segmento, comandado no Município por Marco Túlio Cury, está dando andamento a uma nova etapa dentro da política para esta área. Uma das decisões mais abrangentes e impactantes é o fechamento do Albergue Municipal no Jardim triângulo. Mais que questões de estrutura, a alteração passa pelo conceito, conforme explica o secretário. “Não se trata de um novo albergue, mas de um novo conceito: casa de passagem para o migrante itinerante”. O albergue que está sendo desativado, de acordo com ele, perdeu sua função, haja vista que ao longo dos anos acabou se transformando em ‘hospedagem’ permanente. “Não é isto o que se pretende”, destaca. O imóvel que por anos sediou o antigo albergue será repassado à Secretaria de Saúde para abrigar uma Unidade Básica de Saúde. A medida também tranquiliza aos moradores da região do Jardim triângulo, já que o local com a estrutura de albergue gerava insegurança aos vizinhos.
Dentro da nova política para os moradores de rua que são de Uberaba, foi firmado termo de parceria com três instituições – caminhando para quarta – a fim de acomodar pessoas, oferecer tratamento, atendimento digno, acolhimento junto à rede de saúde, assistência, tratamentos específicos como para os dependentes químicos e portadores de transtornos mentais. Por ora, a capacidade é para cem pessoas, com tendência a ampliar. Somente na semana passada 40 pessoas foram levadas para as instituições. A escolha das instituições parceiras se deu por abertura de edital seguido de cadastro por parte das interessadas, consideradas as habilidades e capacidades, além de exigências burocráticas. Em Uberaba, hoje, são cerca de 60 instituições cadastradas, de variadas tipificações de atendimento.

Perfil e medidas – Sobre o perfil do morador de rua no município, o secretário de Desenvolvimento Social explica ser eclético, inclusive com relação a doenças. Ao todo temos em torno de 200 moradores em situação de rua. A intenção, reforça, é acolher e tratar, garantir dignidade humana. É um novo direcionamento para proporcionar atendimento mais amplo, utilizando a rede de assistência já existente, como Caps, Hospital das Clínicas e instituições diversas, rumo ao maior controle e eficiência. A medida, além disto, vai otimizar recursos aliado à busca de melhor atendimento a esta população.
Uberaba, com isto, vivência um marco, diz o secretário, que tem acompanhado pessoalmente algumas abordagens. Ele destaca um elemento importante que é o fato de o morador de rua ter que aceitar ser alojado. Para tanto – diz – a equipe é treinada para o trabalho na linha do convencimento. Mais que alojar, a ideia, o ponto chave, é também tentar descobrir o ponto de ruptura que levou à vulnerabilidade, a partir de estudo da realidade individual e familiar. “Cada caso é um caso e cada pessoa tem o seu tempo”, observa.
Mas quando o morador de rua não quer/não aceita alojar-se nas instituições? Túlio Cury responde que, nestas situações, a equipe vai retornando e repetindo o processo na busca do convencimento. De acordo com ele, o trabalho não visa mantê-los aprisionados, mas acolher com atividade acompanhamento multidisciplinar. “Não podemos encarar o trabalho como de limpeza urbana, não se trata de varrer gente e jogar vala, mas resgatar pessoas”, salienta.
Os casos em que há registro de violência ou riscos à segurança pública recebem o tratamento devido, qual seja o acionamento dos organismos competentes.

Sociedade – O secretário admite tratar-se de uma iniciativa trabalhosa, desafiadora, mas necessária e importante e à qual a sociedade pode ajudar muito. Para tanto, uma campanha será desencadeada no sentido de orientar a população no trato com o morador de rua. A diretriz é não oferecer marmita, colchão, dinheiro, mas trocar estes gestos por uma conversa com este pessoal no sentido de ajudar no convencimento de aceitar ir para instituições; no sentido de trocar estas doações individuais por visitas e/ou colaborações nas instituições; a fim de que sejam retirados da situação em que se encontram e não mantê-los nas ruas.
Há casos, conta Túlio Cury, de ex-moradores de rua atendidos que estão trabalhando, que constituíram família. “A tentativa é trabalhar dentro desta lógica e não do “tira da minha praça, arranca da minha porta, da porta do meu comércio e só, mas saber onde estão? Como estão? Não pulverizar, mas trabalhar pelo resgate da dignidade”, pontua o secretário para reforçar que o apoio da sociedade é crucial.

Responsabilidades – Com o novo modelo, será criado o prontuário eletrônico do migrante itinerante onde constarão informações e respostas a questionamentos importantes como: de onde veio? Quantas vezes foi abordado? Em quanto tempo? Que tipo de atendimento recebeu? Foi recambiado à origem?
A partir daí, conhecida a origem, os respectivos municípios serão (isto não existia) informando o estado de vulnerabilidade da pessoa. Se a cidade de origem não tomar providências, deverá reembolsar o Município.
Números – O Serviço de Abordagem Social, ao longo de 2017, registrou 4,8 mil atendimentos, uma média mensal de 400 e diária de 13, totalizando universo de 1,2 mil pessoas atendidas. Já no primeiro semestre de 2018, foram 2.552 atendimentos, com médias de 425/mês e 14/dia, para um universo de 638 pessoas atendidas.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.