Política

Vereador defende aumento de campanhas que incentivem mulheres denunciarem abusos

Vereador Kaká Carneiro (PR) defendeu, durante sessão de segunda-feira (20), mais ações para incentivar denúncias de violência, abusos e maus tratos praticados contra mulheres. O posicionamento ocorreu durante discussão do projeto de Lei que criou, em caráter permanente, o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Uberaba (CMDMU).
De acordo com ele, a promoção de mais campanhas educativas pode encorajar as mulheres que sofrem abuso sexual, violência e maus tratos a denunciarem seus companheiros.
Kaká Carneiro destacou que, nos últimos doze meses, 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram algum tipo de estrangulamento no Brasil. Além disso, 22 milhões de mulheres, ou seja 37% do total da população feminina brasileira, já sofreram algum tipo de assédio. Entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico e, 62% delas não denunciou o agressor. “Por medo de morrer, apanhar mais”, diz Kaká Careiro, destacando que não pode se conformar com estes índices.
Segundo ele, o município pode produzir vídeos de utilidade pública, de trinta a sessenta segundos, e veiculá-los nos meios de comunicação, inclusive, em salas de cinema de Uberaba. “Essas campanhas dão muito efeito e podem encorajar a mulher vítima de violência a denunciar”, diz Kaká Carneiro.
Na oportunidade, o presidente Ismar Marão, lembrou que existe uma lei municipal que prevê a veiculação de campanhas de utilidade publicarem salas cinematográficas, porém, a empresa Kinoplex, localizada no Praça Shopping, não demonstrou interesse em contribuir, ao contrário do Cinemais, do Shopping Uberaba, que se prontificou de imediato em atender a legislação. “Dar publicidade a estas campanhas é o mínimo que estas empresas têm que fazer para contribuir com o nosso município”, afirmou Kaká Carneiro, sugerindo convidar os empresários para uma reunião para tratar do assunto.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.