DestaquePolícia

Vítima de abuso alega que perdeu filho do médium João de Deus

Juliano Carlos

A comerciante uberabense que alega ter sido vítima do médium João de Deus pede Justiça. Ela disse, ainda, que ficou grávida do médium.
Durante entrevista à reportagem do JORNAL DE UBERABA, a comerciante Ana Maria Azevedo de Oliveira, de 53 anos, disse que foi abusada pelo médium há 37 anos, quando era adolescente e tinha apenas 16 anos. Ana contou que foi convidada por uma amiga para ir até a casa Dom Inácio de Loyola, na cidade de Abadiânia, no estado de Goiás (GO). Ela disse que após três meses de tratamento espiritual com o médium, foi convidada a entrar em um quarto escuro e foi abusada sexualmente por João de Deus.
Ana disse ainda que ficou grávida e quando foi pedir ajuda ao médium, ele deu um remédio chamado “garrafada” e ela perdeu a criança no final da gestação. A comerciante ainda contou que passou por muitos problemas de saúde após perder o filho, além de fazer tratamento e tomar medicamentos até hoje. “Ele destruiu com a minha vida, é um homem muito perigoso e eu tenho medo dele”, desabafou Oliveira.
As denúncias – As denúncias contra o médium João de Deus começaram no último dia (8) quando treze mulheres alegaram ter sofrido abusos durante atendimentos espirituais na casa Dom Inácio de Loyola.
João Teixeira de Faria, conhecido como “João de Deus” é famoso pelos atendimentos espirituais e cirurgias que faz desde 1976 em Abadiânia. A partir das primeiras denúncias, segundo a Polícia Civil e o Ministério Público, já apareceram mais de 330 mulheres que alegam terem sido abusadas pelo médium. Na tarde de ontem a Justiça decretou a prisão de “João de Deus”.

Mostre mais

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.